14/05/2006

Auditório Universal

.

.Chaïm Perelman, pensador francês, dizia que o discurso perfeito é aquele capaz de persuadir o auditório universal. E a gente fica pensando: num discurso perfeito podemos utilizar uma linguagem que serve para mentir ? .
Segundo Umberto Eco uma linguagem que não serve para mentir não serve para dizer a verdade, ou seja, é uma linguagem que não serve para nada..Falácias e paradoxos estão bem aí, em todo discurso perfeito, mesmo que nossos olhos, ouvidos e cérebros não percebam. Vez ou outra, em jazz, surgem discursos sinceros, honestos, alinhados à Ética de Aristóteles onde o silogismo clássico não permite aventuras, blefes ou seduções. Um desses momentos lúcidos do jazz é marcado pela gravação do disco Ballads, de John Coltrane, muito criticado por especialistas em mentir..Puro, honesto, sincero: eis um discurso perfeito, daqueles que seduzem o auditório universal de todas as épocas e lugares. Gravado entre 1961 e 1962, com McCoy Tyner (p), Jimmy Garrison (b) e Elvin Jones (d) - Impulse MCAD-5885 .




2 comentários:

Empédocles de Samos disse...

O disco é realmente excelente. Já a resenha ... Mas tá valendo.

Salsa disse...

Já gostei mais desse disco. Já não está na minha estante.