07/06/2006

Esse tal de jazz ...

.
Desde que me entendo por gente, ouço dizer que o jazz morreu. Foi assim até mesmo durante o parto do pobre coitado: jornalistas brancos em seus jornais cinzas diziam que essa música negra, medíocre e indecente não duraria muito. Isso foi por volta de 1917. O mesmo ocorreu quando Jelly Roll Morton utilizou cores caribenhas em seus arranjos, ou quando Louis Armstrong fez sua famosa introdução virtuosa em West End Blues, ou quando Dizzy Gillespie trouxe congas de Havana e misturou com o bebop de New York. Nem vou falar de quando Miles Davis gravou Bitches Brew com guitarristas de rock. O jazz sempre foi assim, um sobrevivente, um absorvente, um sedutor. Uma lata de lixo de onde brotavam as flores de Lady Day. Nada mais natural que o tal do jazz agrade a tantas pessoas, ainda que elas nem saibam o que estão ouvindo. Meu medo maior é viver uma época em que o jazz está aí, como diria Heidegger com seu dasein, e eu não o perceba no mundo. E, não me refiro à uma percepção estruturada. Quando a explicação científica do que é jazz não é possível, devemos decidir com o sentimento. Até porque, dizer que o verde da árvore é devido à clorofila, retira a beleza da coisa. Sendo assim, para quem não pode estar lá, ao vivo, no Tonic Club, ouvindo o baixista Christian McBride e sua banda, segue no Gramophone Jazzseen uma pequena jam de 33 minutos de muito groove, funk, rock, soul, rap e improvisos, ou seja, 33 minutos de jazz. Ou não ?

.


.
Para ouvir clique AQUI com o lado direito do mouse e depois em "ABRIR EM UMA NOVA JANELA" - Você fica ao som de Jazzseen Jam Session enquanto lê nosso blog.

11 comentários:

Salsa disse...

Eu, pessoalmente avec moi myself and I, chamo esse groove de Funk e gostaria muito de poder estar tocando no meio dessa cambada de roqueiro. Vale a farra. Canta aí: Piromba - pirombê - sexmachine - ru.

mirian disse...

Enfim alguma música com menos de 50 anos no blog !

Valeu John !!!!

bia disse...

oi andre, adorei a musica e o blog, beijos !!!

marco antonio disse...

grande som !!! blz de blog

John Lester disse...

valeu bia, aparece mais ok ?

beijo

Rogério Coimbra disse...

Concordo com a Miriam: enfim algo refrescante, um softdrink; mesmo que não embriague, aquece. E por que vocês vivem falando mal do Miles e sua modalidade ?

Alessandra disse...

Tá booommm!Muito lega!!!
bjs
Alessandra.

Alessandra disse...

..mas ficou quase insuportável no final! Ainda bem q. foram apenas 33 minutos. Virge!

Anônimo disse...

Pois é, tamanho não é documento...

LeoPontes disse...

Hi John.Poderia Sr me convidar para ouvi-los comme il faut ?

Obrigados
Abçs
Leo Pontes

LeoPontes disse...

Reitero o meu pedido de 18/11/08.

Abçs/parabens pelo níver do blog

Leo Pontes