21/08/2006

Elas Também Tocam Jazz

.
A utilização sistemática de heroína talvez tenha contribuído decisivamente para o enfarto fulminante que matou Emily Remler aos 32 anos. Sua morte prematura impediu que essa excelente guitarrista estabelecesse de forma definitiva um estilo próprio. Bastante influenciada pelo toque de Wes Montgomery, a menina Emily começou estudando violão em Berklee aos dez anos e, em 1980, já gravava seu primeiro álbum como líder. Seu trabalho foi quase todo em trios ou quartetos, num clima post bop que me agrada bastante e faz a gente pensar que grande guitarrista ela poderia ter sido se ainda estivesse por aqui entre nós. Logo acima, no Gramophone Jazzseen, deixo para os amigos as faixas Hot House e In A Sentimental Mood. Boa audição!

5 comentários:

Salsa disse...

É verdade. Comprei alguns discos da jovem finada e não me decepcionei

cretino do creta disse...

Salsa, seja mais respeitoso com a Emily.Emily lives. Se ela foi, deixou uma boa história, de qualidade. Ela sempre esteve um pouquinho à frente das meninas da época.Be kind, Doctor Salsa.Be cool. Be bop.

olneyfig disse...

cretino, não li nada de "desrespeitoso" no que o lester escreveu...é uma pena realmente que ela tenha se matado com as drogas (como tantos outros ótimos músicos); John, quem são músicos que tocam com ela nessas faixas?

olneyfig disse...

ps.: que o Salsa escreveu...

John Lester disse...

Prezado Olney, estando em trânsito pelo Rio, não poderei lhe fornecer os nomes dos músicos agora. Retornando a Vila Velha, pego o disco e lhe passo as informações. Por enquanto só lembro que Hank Jones brinca com Emily na faixa In a sentimental mood.

Saudações, JL.