25/09/2006

Vitor Assis Brasil - Curto Trajeto

.


Vitor morreu aos 35 anos. Nesse breve período estabeleceu um modelo até hoje não superado de brazilian jazz: virtuoso, independente e criativo. Sua virtuosidade já se manifestava em criança, quando tocava sanfona, bateria e gaita. Mais tarde, aos 12 anos, passa para o saxofone, instrumento com o qual ganha o prêmio de melhor solista de jazz na Alemanha, aos 21 anos. Sua independência está registrada pela capacidade de não ser um mero repetidor do discurso de Charlie Parker: ele utilizou uma linguagem semelhante para produzir um discurso próprio, como o fizeram um Jack Mclean ou um Phil Woods. A criatividade fica por conta da generosa aptidão em ser sempre ele mesmo, independentemente do contexto: se está tocando Pixinguinha, John Coltrane ou Tom Jobim, Vitor é sempre Vitor. Infelizmente gravou pouco. Aos amigos navegantes deixo no Gramophone Jazzseen - logo acima - as faixas What Is This Thing Called Love e Round About Midnight, ambas do lp Trajeto, lançado pela Equipe em 1968. Boa audição!
.

2 comentários:

Salsa disse...

Vitor se mantém como A referência entre os jazzistas brasileiros. Impressionante.

waltel disse...

Tocava demais o garoto hein.