14/10/2006

Dá um real aí - Eli Degibri

Esse saxofonista judeu não coloca mais seu estojo na calçada para recolher nossas moedas. Nem cobra aqueles juros extorsivos denunciados por Lima Barreto em seu clássico Bruzundanga. Eli é apenas um grande músico, ainda não muito conhecido por aqui, mas que já anda aprontando as suas na cidade que hoje mantém o jazz vivo: New York. Começou a estudar música aos 7 anos e aos 16 já tocava profissionalmente. Primeiro músico judeu a receber bolsa integral para Berklee (imaginem a felicidade dele!), foi também um dos poucos bolsistas integrais (apenas 6 em todo o mundo) no Thelonious Monk Institute. Além de competente arranjador e compositor, Degibri possui uma sensibilidade bastante inusitada, considerando que o mundo do jazz contemporâneo tem se dedicado bastante ao tecnicismo irascível e ao academicismo afetado. Para mim existem traços claros de John Coltrane e Sonny Rollins em sua sonoridade e discurso, combinados em doses adequadas e equilibradas: inventividade e potência, graça e força, todas simetricamente dosadas por sua voz própria e original. Após tocar com gente como Herbie Hancock, Al Foster, Ron Carter e o brasileiro Paulo Braga, Eli merece a boa acolhida que tem recebido no meio jazzístico, com apresentações e gravações como líder de seus próprios grupos e álbuns. Para os amigos argonautas fica a faixa Dance Attempts, do cd In The Beginning, lançado em 2003. É logo acima, no Gramophone Jazzseen.

4 comentários:

waltel disse...

John, tem mais alguma coisa dele aí pra gente ouvir?

John Lester disse...

Prezado Waltel, ter até que nós temos. Mas, por falta de tempo e espaço fica para uma próxima.

Se você tiver o E-mule poderá baixar algumas faixas do Degibri.

Um abraço, JL.

denian disse...

Putz, o cara é chatinho demais hein!!!

John Lester disse...

Denian, você conhece cotonete?

JL.