26/05/2007

Só alegria

Tertúlia é só alegria. Nosso amigo Pedro Nunes, escritor, professor, agitador cultural e sócio do Clube das Terças (ninguém é perfeito), não se cansa de trazer as novidades literárias e musicais produzidas em sua terra natal. Além do excelente material didático publicado pelo pianista Turi Collura, denominado Improvisação (livro mais cd), Pedro nos alerta sobre o prelo de A grande história, novo romance de Reinaldo Santos Neves, a ser lançado pela editora Bertrand. Sobre o trabalho de Turi, assim fala Jeff Gardner, pianista e escritor norte-americano: Esta obra apresenta várias e interessantes técnicas de fraseologia melódica; é de grande valor didático para quem é iniciante e também para quem quer se aprofundar no estudo da improvisação. Um ótimo ponto de partida para o músico erudito que quer desenvolver a arte da improvisação. É significativa a comparação - e ligação - dos dois sistemas rítmicos: norte-americano (blues e jazz) e brasileiro. Com certeza esta obra vai ajudar muitas pessoas na busca do próprio caminho criativo.
Já sobre o novo romance de Reinaldo, assim comenta Pedro: A Editora Bertrand Brasil está ultimando a edição do romance A longa história, do escritor capixaba Reinaldo Santos Neves, para lançamento em breve. Esse alentado romance de 600 páginas, ambientado na Idade Média, apresenta-nos o personagem Grim de Grimsby, jovem noviço beneditino a quem é imposta a missão de viajar da Ingária, onde vive, até um remoto mosteiro húngaro para ali transcrever uma história e retornar com o pergaminho para que uma velha condessa possa realizar o desejo de ler essa história antes de morrer. A trama possibilita ao leitor não só uma viagem de 2.000 quilômetros pelo rico imaginário medieval da Europa como também testemunhar a lenta transformação que fará do tímido noviço, a quem apavorava a simples idéia de transpor os muros do mosteiro, um homem do mundo capaz de escolher seus próprios caminhos e destinos. Nessa transformação, que não se fará sem incidentes e sofrimentos de toda sorte, Grim terá a companhia ao mesmo tempo grata e não grata de uma jovem que fugiu de um mosteiro para, perdendo-se no mundo, achar-se a si própria. Assim, vinte anos depois de A crônica de Malemort, publicado em 1978, Reinaldo Santos Neves retoma a temática medieval, desta vez de uma perspectiva completamente diversa. Quem leu ou ler o romance Kitty aos 22, sua publicação anterior, certamente estranhará a reviravolta de tema e ambientação. No entanto, ambos os romances têm como foco central a juventude — ainda que separada por um abismo de oito séculos — e ambos projetam em cada parágrafo duas marcas registradas desse veterano autor capixaba: o tom irônico da narrativa e a limpidez literária da linguagem. Quer mais? Basta visitar o Tertúlia clicando no link à direita.

4 comentários:

danila disse...

Êba!

jimmy green disse...

Aê, John. Voltaste em alta forma, antenadíssimo. O livro do Turi Collura é imprescindível, realmente. E dos livros do Reinaldo S. Neves, The Pres, não se pode falar diferente. A edição nacional de seu livro veio tarde: RSN é um dos maiores escritores brasileiros.
Jazz, jazz, jazz, très bien.

Manuela disse...

YEAH!!

adalberto disse...

Pô, só tem esse tal de Reinaldo que escreve aí no ES??? Ou o John Lester tem algum negócio com ele?