24/09/2007

Cortázar e sua valise

Releio Valise de Cronópio, uma coletânea de ensaios críticos editada pela ed. Perspectiva. Foi o primeiro livro que comprei na saudosa Don Quixote, em 1984. Os ensaios e as crônicas deste livro foram publicados, originalmente, em dois volumes intitulados La Vuelta al Día en Ochenta Mundos, pela Siglo XXI Editores. Cortázar é um dos grandes escritores do século, sua prosa de períodos longos é bem-humorada - por muitas vezes mordaz. Sua visão crítica é aguçada, capaz de enxergar o que não é visível. Os textos que compõem a coletânea variam em temática, mas não em estilo: ele comenta sobre a séria poesia de John Keats, sobre o Simbolismo de Mallarmé e sobre o Artaud surrealista com a mesma desenvoltura que narra sua participação - como ouvinte, naturalmente - em um show de Thelonious Monk em Genebra, em 1966. Cortázar era fã de jazz - no livro ainda fala dos trompetistas Clifford Brown e Louis Armstrong -, de boxe e de literatura, principalmente a européia, mas é no ensaio destinado a Edgar Poe que ele se supera: quarenta páginas esclarecedoras em relação ao romântico poeta norte-americano. E muito mais: densas observações sobre a arte do conto, sobre literatura fantástica, acerca da situação do romance atual, sobre Carlos Gardel e por aí vai. Um trecho de A Volta ao piano de Thelonious Monk:
"Agora se apagam as luzes, olhamo-nos ainda com esse ligeiro tremor de despedida que nos envolve sempre ao começar um concerto (cruzaremos um rio, haverá outro tempo, a esmola está pronta) e já o contrabaixo levanta seu instrumento e o sonda, logo a escovilha percorre o ar do timbale como um calafrio e, do fundo, dando uma volta inteiramente desnecessária, um urso com um barrete entre turco e solidéu encaminha-se para o piano pondo um pé diante do outro com um cuidado que faz pensar em minas abandonadas ou nessas plantações de flores dos déspotas sassânidas em que cada flor pisada era uma lenta morte do jadineiro."


8 comentários:

camila disse...

Adorei!

John Lester disse...

Prezado Grijó, obrigado por mais uma interessante resenha.

Grande abraço, JL.

F. Grijó disse...

Querido JL, esteja sempre à vontade.
Já falei que é uma honra - sem exageros - fazer parte do Jazzseen.
Outro abraço.

Anônimo disse...

Excelente resenha. Sou leitor de Cortázar e sempre achei esse livro um tanto relegado a segundos planos. Parabéns, Jazzseen.
F. Kovac

túlio disse...

E a caravana passa...

Magda disse...

Tenho visto muitos blogs se que limitam a copiar e colar certas bobagens, ou em produzir textos insossos, muitos deles agressivos e mal escritos. Raro e agradável verificar que, por aqui, as pessoas escrevem coisas relevantes. E escrevem bem. Agora, voltarei sempre.

Manuela disse...

Excelente dica, Mr. Grijó! Sou fã das suas resenhas!


*e um conto que eu reli dele há pouco tempo que me deixou embasbacada foi "Continuidade dos Parques".
Fica a dica galhera!

rodrigo disse...

po grijo vc ta em todas hein???

maneiro esse seu novo blog!