12/01/2009

Mrs. Pacheco

Não há muita informação na internet sobre Dona Ivone Pacheco, a maior amante do jazz de Porto Alegre. É verdade que nosso amigo Wilson Garzon, do Clube de Jazz já lhe fez rápida menção. Mas queremos mais. Ivone Pacheco é a dama do jazz de Porto Alegre, dona do título desde que fundou o Clube Take Five há mais de 26 anos. O clube nasceu informal, modesto, num porão, e se tornou o lugar de Jazz na cidade. Pelo Clube do Jazz já passaram convidados de todo o país e até internacionais. Mas só entra nesta trilha quem é convidado. Para não perder a dose de mistério necessária para o jazz, segundo Ivone, o endereço deste clube vai continuar sendo um segredo. No clube não há venda de ingresso, não existe convite ou comitê organizador, muito menos estatuto. Neste clube, a regra é se contagiar pelo ritmo do jazz. Uma sonoridade de estilo intimista, batida marcada e o melhor, sem rotina. Tanto é assim que Ivone Pacheco foi a grande homenageada do 1º Festival de Jazz de Porto Alegre, em 2008. No site Overmundo encontramos um depoimento de Rogério Ratner que vale a pena trazer à lume: "Numa ampla casa localizada no bairro Bela Vista (cujo endereço certo eu nunca lembrava, sabia ir somente na base do “duas ruas à esquerda, uma à direita”) funcionava, nos anos 80, o Clube de Jazz de Porto Alegre (Take Five). Embora o nome fosse pomposo, e presumisse a existência de sócios e burocracias, na verdade tratava-se de um dos programas mais legais e democráticos que havia na cidade para quem curtia boa música, e era despido de qualquer formalidade. Na verdade, tratava-se do porão da casa da Dona Ivone Pacheco, a Grande Dama do Jazz de Porto Alegre, que, de forma super generosa (e diríamos hoje, até algo imprudente) permitia acesso livre ao pátio de sua residência, sendo que o portão da frente ficava apenas encostado, sem sequer um porteiro para fazer uma “triagem nos elementos”.

De fato, para ingressar no recinto bastava saber o endereço e abrir a maçaneta do portão, sem pagar ingresso, mostrar documentos, nem nada. Felizmente, ao menos nas vezes em que fui lá, não apareceu nenhum ladrão ou vândalo disfarçado de fã do bebop, o que hoje em dia possivelmente fosse quase um milagre. O endereço, logicamente, não era divulgado publicamente, sob pena de inviabilizar o funcionamento, já que o recinto onde o pessoal tocava era pequeno. Assim, o espaço era divulgado apenas na base da propaganda “boca a boca”, de forma que geralmente se ficava sabendo onde era e quando ia rolar pela dica de algum amigo que já fora lá. Não lembro ao certo quem me deu a dica, mas certamente ou foi o Auriu Irigoite, ou o Henrique Wendhausen ou o Glei Soares, e talvez todos ao mesmo tempo. Levado por estes amigos é que conheci o lugar. A função ocorria apenas na noite de sábado (ou será que era na sexta?), por volta da meia-noite (round midnight, naturalmente), e entrava madrugada a dentro, até de manhã. O Clube, em realidade, consistia em um verdadeiro sarau, um palco livre, no qual rolavam várias jam sessions, tão próprias do universo jazzístico. É verdade que o palco não era assim tão livre, uma vez que para ocupá-lo o “candidato” devia “mandar bem” no ritmo americano, em qualquer de suas matizes - o que permitia, obviamente, que a coisa às vezes fosse até para o lado da bossa nova e da música instrumental brasileira, mas isto eventualmente -, e definitivamente não era lugar para “bicões”. E, naturalmente, este atributo não era para qualquer um, diante das conhecidas complexidades deste ritmo norte-americano. Havia atrações que eram praticamente “fixas”, ou seja, um pessoal que normalmente sempre ia lá e se apresentava em todas as “reuniões”. Lembro do grande pianista Marcos Ungaretti (que não podia sair de lá sem tocar o “Take Five”, de Dave Brubeck, que, como já adiantamos, apelidava o local), do cantor Richard Emunds (que, além de cantar jazz, interpretava clássicos da Chanson Française), do grande baixista Mário Carvalho (Marião), da pianista Karina Donida, do saxofonista Marcelo Figueiredo, do pessoal da Arqui Jazz Band e da Contraste Combo, que eram especializados no diexieland e nos estilos tradicionais dos anos 20, além, é claro, da própria Dona Ivone ao piano, que sempre nos brindava com suas performances, entre vários outros. E era sempre muito legal ver este pessoal tocar. Mas, naturalmente, a cada “reunião” havia algumas atrações novas e “avulsas” ou “bissextas”. Uma vez vi tocar lá o Professor Menotti, que, na época, já era um senhor de idade. Tratava-se de um dos maiores músicos gaúchos de todos os tempos, ligado ao pessoal da velha boemia da noite portoalegrense. Não sei se ele ainda vive, mas era um fenômeno, tanto ao violão quanto ao piano. Tocando sozinho, ele magnetizava a platéia com o seu domínio harmônico e melódico, era um verdadeiro mestre. Enfim, eram inúmeros os músicos (cantores e instrumentistas) que davam a sua canja no local, que geralmente era freqüentado mesmo preponderantemente por músicos que estavam a fim de conhecer mais sobre o jazz e curtir os improvisos que rolavam. Eu, naturalmente, nunca me aventurei a sequer chegar perto do palco, por razões óbvias.

É indiscutível o fato de que o Clube de Jazz da Dona Ivone Pacheco foi fundamental para a difusão deste tipo de música na capital gaúcha nos anos 80, ainda mais considerando que o público em geral, mesmo o apreciador de música, e da boa, tinha pouco acesso a este estilo. À época - em que ainda não havia o CD, e, obviamente, não existia internet e muito menos MP3 -, os LPs de jazz eram caríssimos, a exemplo dos discos de música erudita, o que dificultava sobremaneira o conhecimento deste ritmo maravilhoso, principalmente por gente como eu e os meus amigos, então estudantes totalmente “duros” e “sem-ter-onde-cair-morto”. Como o jazz não era presença muito freqüente no dial portoalegrense daquela época (diferentemente de agora, em que contamos, por exemplo, com o programa extraordinário do jornalista e crítico musical Paulo Moreira, tremendo especialista no assunto, Sessão Jazz, que rola à noite na FM Cultura ), pode-se dimensionar a importância de um espaço como este. Neste sentido, a generosidade desmedida de Dona Ivone verdadeiramente abriu uma janela em nossos horizontes, contribuindo em muito para o aprimoramento dos conhecimentos musicais e apuração do gosto estético, que nos torna tributários de uma dívida imensurável em relação a ela. Tenho certeza que todos os freqüentadores, fossem músicos ou não, tenham tocado lá ou não, devem ter a mesma visão a respeito da importância do Clube para a difusão do jazz em Porto Alegre, e agradecem pelo maravilhoso trabalho “pedagógico” e, ao mesmo tempo, “lúdico”, de Dona Ivone. É curioso que uma vez, quando apresentei-me no Foyer do Theatro São Pedro, no projeto Blue Jazz, cantando standards do jazz americano (isto lá por 93 ou 94, vários anos depois de minhas visitas ao clube), ao final do show a Dona Ivone veio falar comigo, com sua simpatia e gentileza inatas, dizendo que tinha gostado muito, que era muito legal alguém fazer aquele repertório em POA, etc. Como era final de show e havia mais pessoas que queriam falar comigo, só tive tempo de agradecê-la pelo carinho e estímulo. Depois me dei conta que devia ter dito a ela que, na verdade, ela era responsável direta pelo trabalho que eu estava fazendo à época, pois foi através de minhas visitas ao seu famoso Clube que se corporificou a minha admiração pelo jazz. Muito obrigado, Dona Ivone." Para os amigos, deixo um breve video sobre a grande dama (Fonte: Jornal Zero Hora):

17 comentários:

Internauta véia disse...

Ê, John Lester, coisa boa!
Reparei que D.Ivone Pacheco convidava "em cima da hora" para não ir muita gente...Interessante... Que saudade do que não vivi!

thiago disse...

Isso lá é hora de internauta véia estar acordada??? Nociva essa véi!

barba azul disse...

Bom Dia

Ao ler sobre o MENOTE posso informar que ele vive ainda sou componente de um regional com base no chorinho e mpb REGIONAL DOCE DE COCO O menote É MEU VIZINHO E AS VEZES TOCA COM NÓS TENHO REFERENCIAS o meu e-mailb é alcidesricalcati@gmail.com

PREDADOR.- disse...

Será que Ahmed ou Garibaldi não tem um porão disponível? O Clube de jazz existe e tem nome "Das Terças Feiras". Músicos dentre os associados também tem. Só falta o porão, organizar as jam sessions e arranjar bons músicos. Me proponho a executar esta última parte. Sou igual a Miles Davis: toco mal e porcamente, mas sou bom organizador de eventos e sei habilmente me acercar de bons músicos. Quem tem o porão?

olmiro muller disse...

Na verdade, o "Take Five" de Ivone Pacheco é quase exclusivamente uma confraria de músicos, de modo que os não-músicos como eu não têm acesso a ela. Por isso, apesar de minha condição de jazzófilo "sério", até hoje não sei onde fica o tal clube. Paciência.

Paula Nadler disse...

Que deliciosa a idéia da Ivone. Fiquei com fome de jam session num porão!

Anônimo disse...

Oi, Lester
Adorei!!
bju

Andréa disse...

história linda!!

Salsa disse...

Tamos aí, Predador. Apesar de ser um mero amador.

abílio disse...

Iniciativa exemplar, parabéns dona Ivone.

F. Grijó disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
F. Grijó disse...

O Predador, como é de se esperar, não perde a chance de falar mal de Miles.
Paixão e recalque juntinhos ali, lado a lado.

E dá-lhe Ivone, que, se parte fizesse da Ceia Dominicana, alguém perguntaria o nome da aeromoça, não é Reinaldo?

Gostei dela.

edú disse...

O jazz só sobrevive por esforço e vontade de abnegados ou de irresponsáveis q se dedicam a essa apaixonante causa.Adiro de forma plena a essa corrente.

John Lester disse...

Que bom ver Mr. Edú retornando ao lar.

FIGBATERA disse...

Que beleza! Pessoas como D.Ivone demonstram o verdadeiro amor pela música. Merecida homenagem!
Guardadas as devidas proporções, é algo parecido com o que faço aqui na minha cidade; só que não tenho um "porão" e transformei a sala de visitas da minha casa num verdadeiro "botequim dos músicos" - como costumo chamar.
Toda quinta e sexta-feira fazemos nossas tertúlias musicais, que já chegou a reunir até 8 instrumentistas numa só noite. Hoje em dia tocamos quase sempre em trio e, algumas vezes, aparecem alguns apreciadores da boa música para nos ouvir. Aqui temos poucos músicos - fora a garotada do rock e que tais - mas não desisto. Enquanto viver e tiver saúde, quero tocar e cantar...
É minha forma de comunicação com o "divino".

John Lester disse...

Prezado Olney, são amigos como você, educados, interessados e com aguçada capacidade estética que dão sabor ao Jazzseen.

Obrigado por estar entre nós desde o início desta empreitada em favor do jazz.

Meu mais sincero abraço, JL.

maicher disse...

mulberry purse
mulberry purses
discount mulberry
chloe bag
chloe paddington