05/12/2009

O jazz morreu: Bernardo Sassetti

Bernardo nasceu em Lisboa em Junho de 1970. Iniciou os seus estudos de piano clássico aos nove anos e, mais tarde, frequenta a Academia dos Amadores de Música. Dedicou-se ao Jazz, estudando com Zé Eduardo, Horace Parlan e Sir Roland Hanna. Aos 17 anos inicia a carreira profissional, participando de concertos e tocando em clubes locais, além de constar em inúmeros festivais, shows e gravações, acompanhando músicos como Al Grey, Art Farmer, Kenny Wheeler, Freddie Hubbard, Benny Golson, Curtis Fuller, Eddie Henderson e Charles McPherson. Em 1994 grava seu primeiro álbum como líder, Salsetti, para a Movieplay, com a aprticipação de Paquito D'Rivera. Ainda na década de 1990 passa a integrar a United Nations Orchestra e o quinteto de Guy Barker, com o qual grava o álbum Into the blue, para a Verve. Em 1997, também com Guy Barker, grava What Love is, acompanhado pela London Philarmonic Orchestra. Em 2002 grava o álbum Nocturno, para a Clean Feed, recebendo o 1º Prêmio Carlos Paredes. Além de excelente pianista, Bernardo destaca-se também como compositor, associando à sua formação clássica elementos folclóricos de Portugal, Brasil e África em peças como as suítes Ecos de África, Sons do Brasil, Mundos, Fragments (Of Cinematic Illusion), Entropé (para piano e orquestra) e 4 Movimentos Soltos (para piano, vibrafone, marimba e orquestra). Igualmente importante são suas diversas composições para o cinema, entre elas a realizada para o filme The Talented Mr. Ripley, de Anthony Minguella. Atualmente Bernardo vem atuando regularmente com seu trio, formado por Carlos Barretto (b) e Alexandre Frazao (d), ou em duo com o pianista Mário Laginha. Ouça aqui a faixa Monkais , em óbvia homenagem, retirada do álbum Nocturno, com Carlos (b) e Alexandre (d). Apesar disso, o nome Bernardo Sassetti permanece absolutamente desconhecido do grande público de jazz norte-americano, embora já tenha sido ouvido ao lado de grandes músicos do jazz e em trilhas sonoras de sucesso. Afastando-se das primeiras influências rítmicas fortemente percussivas das músicas africana e brasileira, em Nocturno Bernardo passa a investigar com mais vagar os aspectos melódicos e harmônicos de seus instrumento, no que é francamente favorecido pela sólida formação clássica. As noções de pausa e silêncio, antes administradas burocraticamente, recebem agora atenção cuidadosa, do que resulta uma tensão especialmente sedutora, além de composições mais inventivas melodicamente que, necessariamente, nos remetem a Chopin ou Satie. Gravado na residência e com o instrumento da formidável pianista Maria João Pires, Nocturno estabelece com nítidez os dissimulados contornos da noite, como que descritos com o auxílio de amigos como Bill Evans, Keith Jarrett ou Horace Parlan, este último um dos professores do bardo. Dignas de nota são as atuações dos excelentes Carlos Barretto e Alexandre Frazao, acompanhantes precisos e estimulantes. Boa audição.

11 comentários:

Salsa disse...

Já conheço o portuga. É som de primeira e merece a sua boa resenha. Destaque-se que Frazão é brasileiro e adotou Portugal como lar. Excelente baterista, Frazão, junto com o baixista Arild Andersen, participou do segundo disco do meu afilhado Fabiano Araújo (o lançamento deverá acontecer no início de 2010).

thiago disse...

gajo nocivo

pituco disse...

master lester,

não conhecia o bernardo sassetti...dica prá lá de bacanuda e providencial...apenas pela primeira audição já curti...o rapaz de fato explora uma sonoridade ao estilo de keith jarrett, de quem sou fâzão...muito bom

agora fiquei curioso em ouvir mais, assim como a dica do mr.salsa...fabiano araújo...headphones a postos...rs

abraçsons pacíficos

LeoPontes disse...

Não conhecia. Logo nos primeiros compassos fez-me lembrar um outro pianista americano de nome Harry Cornnick Jr pelas técnica das pausas no corredor melódico. Este, como o Portuga dão show.

Abrçs
Leo

danilo disse...

Tenho esse album e realmente é muito bom. Valeu Lester, abraço!

Augusto Carlos disse...

Em 2004 tive a oportunidade de ouvir Bernardo ao vivo, em Lisboa. Já era um pianista pronto.

Abraço!

Érico Cordeiro disse...

Mr. John Lester,
Mais uma fabulosa descoberta do capitão da nave jazzseen!!!
A conferir, nas melhores casas virtuais do ramo!!
E o legal é que tem brazuca na área!!!

Tobias Serralho disse...

Caro amigo, faz tempo que não apareço e, quando apareço, vejo uma excelente recomendação! Já encomendei o álbum do rapaz e, conforme prometido, enviarei a resenha sobre Curtis Fuller que lhe prometi.

Saudações!

bia disse...

delicia...

JackRamon disse...

Hello,

Just a quick word to let you know that you are featured in our blogroll on Radio.Video.Jazz

Please check our site. If you like our work, do link back to us.

If you feel like contributing, let us know.

A lot of thanks.

The Radio.Video.Jazz Team

PS : you can also check our other website Radio.Video.Trad

Dom .A. disse...

Com certeza, foi uma pessoa agraciada por Deus. Com o dom da música, pôde vivenciá-la em sua plenitude e contagiar os outros.

Ab