16/02/2011

Mestres: Billy Mitchell

A fumacinha que você vê flutuando na capa do álbum This Is Billy Mitchell seria responsável pelo câncer de pulmão que levaria à morte o magnífico saxofonista, em 2001. Mas, antes disso, Billy viveria 74 anos, 52 deles dedicados ao jazz. Nascido em Kansas City, estuda em Detroit, cidade onde iniciaria a carreira , em 1948, tocando na banda de Nat Towles. No mesmo ano, segue para New York, integrando a banda de Lucky Millinder. Em 1949, substitui Gene Ammons na banda de Woody Herman e realiza sua primeira gravação, ao lado de Milt Buckner. No início da década de 1950, forma seu próprio grupo,  atuando em Detroit. Entre 1956 e 1957, Billy integraria a banda de Dizzy Gillespie e, entre 1957 e 1961, substitui Eddie 'Lockjaw' Davis na banda de Count Basie, onde voltaria a trabalhar entre 1966 e 1967. Durante 1961 e 1964, lidera com Al Grey um sexteto que contaria com grandes músicos, entre eles o vibrafonista Bobby Hutcherson. Ainda na década de 1960, Billy atua como diretor musical de Stevie Wonder. Na década seguinte, dedica-se ao ensino, ministrando uma série de seminários e workshops, além de atuar como freelance. Proprietário de uma sonoridade encorpada e um fraseado macio e linear, Billy trafegava tranquilo pelos estilos Swing e Bebop, tornando-se um dos mais completos saxofonistas do Hard Bop. Para os amigos deixo a faixa You Turned The Tables On Me e uma breve recomendação discográfica. Com Billy estão Bobby Hutcherson (vib), Billy Wallace (p),  Herman Wright (b) e Otis Finch (d). O álbum é o da fumacinha, gravado em 1962 para a Verve.

Colossus of Detroit - 1978 - Xanadu 158 -  Infelizmente Billy Mitchell gravou pouco como líder.  Contudo, este álbum demonstra com clareza sua maestria. Com  Barry Jones (p),  Sam Jones (b) e Walter Bolden (d).

20 comentários:

Internauta Véia disse...

Que bonito, Lster!

E cuidado com a fumacinha...

LeoPontes disse...

Que fumacinhas educadas heim?

Abrçs

thiago disse...

cof cof

PREDADOR.- disse...

Um dos mais importantes saxofonistas tenor do jazz. Pena que tenha gravado pouca coisa como lider e para gravadoras pouco expressivas, das quais as mais conhecidas foram Verve e, com mais frequência, a Xanadu como apontou mr.Lester. Mitchell mostrou seu talento participando, na maioria das vêzes ao longo de sua brilhante carreira musical, como solista de grandes bandas(também citado por Lester) mas como líder, gostaria de destacar, além do mencionado "Colossus of Detroit", mais dois álbums: "This is Billy Mitchell" (Verve) e "Now's the time" (Catalyst). É isso aí mr.Lester, continue "nesta linha" que você vai bem.

figbatera disse...

Muito bom, mestre Lester.
E aí, quando vai programar uma tarde de jazz na Casa Bonita?
Reúna a turma e me avise, tá?

John Lester disse...

Prezados amigos, obrigado pelos comentários, sempre generosos e informativos. E, Mestre Olney, tentarei marcar uma jam para março. Qualquer coisa, entrarei em contato com você.

Grande abraço, JL.

Salsa disse...

Bacana, mesmo. Valeu, Lester!

Anônimo disse...

Mais uma vez, maravilhosa escolha...
Obrigada

Sergio disse...

"A fumacinha que você vê flutuando na capa do álbum This Is Billy Mitchell seria responsável pelo câncer de pulmão que levaria à morte o magnífico saxofonista, em 2001. Mas, antes disso, Billy viveria 74 anos, 52 deles"...

Você é o cara, mr.. Definitivamente. E nem tente ironizar meu exagero em elogios. Sabes que sou chato de tão sincero.

E quem é "o grande Billy Mitchell" de quem nunca ouvi falar e só tenho, acabo de verificar, uma faixa num álbum de compilação?

Uso o "veja bem"? Tudo bem, vou usar o “veja bem”, mas continuando na sinceridade: mr. Lester, você é o responsável, tanto por eu ficar besta de tanto q conheço de jazz, assim como pelo meu desabestar, quando vejo q não tenho e não sei nada. Ora se já não estava a, parafraseando Paulo Francis, prestes a mandar uma letra tipo: "eu já ouvi tudo que é importante e se não conheço, não é bom". Aí vem tu e corta as minhas asinhas... E não quer q eu diga q és o cara: Comassim?

Billy Mitchell... Era só o que me faltava...

John Lester disse...

Prezados amigos, a navegação do blog Jazzseen pelos mares inósptos da internet tem sido bastante auxiliada pelos bons ventos da amizade. Bom ter essa brisa boa de vocês por aqui.

E, Mestre Sérgio, somos nós todos apenas mais um entre cada um de nós.

Sendo assim, o que seria de nós sem cada um de vocês?

Grande abraço e força total no seu blog Sérgio Sônico (http://sergiosonico.blogspot.com/).

Grande abraço, JL.

Sergio disse...

Pois é, seu mr. John. Só q este ofício "Indiana Jones", o procurador geral dessas obscuridades, deu-me ao menos o feeling de entender que o indicado não é só mais um obscuro muito interessante. Embora ainda não o tenha ouvido, algo, desde o princípio, tal do feeling, certamente, me disse q este Billy Mitchell não veio a passeio.

Mas não foi por isso q vim. Na busca de suas duas indicações/álbun pro Mitchell (q já baixei), topei com uma banda jazz punk que atende pelo nome de Dead Kenny G's. Tá que não é nenhum Billy Mitchell, mas acho q vale à pena dar uma escutada... no mínimo, em nome do nome da banda.

Abraços e grato a visita lá em casa.

apostolojazz disse...

aJohn Lester:

Bela escolha de album, com um músico superlativo.
Aproveitando suas citações, recomendo as gravações dele com Gillespie em 1957 ("Jor-Du") e com Basie em 1960 ("Shorty George" e "Every Tub").
Um som apaixonante, mais ainda nesse clássico eterno("You Turned...").

Érico Cordeiro disse...

Discaço, Mr. Lester,
Ele tava na fila para uma futura postagem, mas vai ficar mais um pouquinho.
Ele está em um álbum bastante postável do grande Al Grey (Snap Your Fingers, também da Verve).
Como diz o Sônico: " Billy Mitchell não veio a passeio". Manda muito bem!
Abração!

John Lester disse...

Pois é, mesmo daqui dançando o tango não consigo conter a emoção de tantos amigos comentando, sugerindo, criticando, complementando nossas pobres resenhas. Sim, pobres desde que tivemos a felicidade de contar com o seríssimo blog Jazz + Bossa, do literato nato Érico Cordeiro.

Sem rasgação de seda: Mestre Érico tem, de longe, o melhor texto biográfico sobre jazz da internet atual em língua portuguesa. Exagero? Então visite: http://ericocordeiro.blogspot.com/ e confira.

Quanto ao assassinato de Kenny G, embora eu considere crime impossível, vale a pena conhecer a tentativa.

Grande abraço, JL.

Carioca da Vila disse...

Concordo com o Sérgio...seus textos são muito bons, sem falar no ótimo gosto musical!

Bom demais pasear por aqui, tudo de primeiríssima...!

Não sou "expert" em jazz, ( aliás, em nada...), mas adoro as escolhas de quem entende, e amo o que Mr. Lester escreve, invariavelmente!

Parabéns!!

Sandra Leite disse...

que saudade deste espaço....

PREDADOR.- disse...

Quanta rasgação de sedas!!!! Botem suas barbas de môlho, pois esta escolha do Billy Mitchell foi uma recomendação dos deuses a mr.Lester, que quase sempre tem "recaídas" com postagens de algo obscuro que não tem muito a ver com jazz, como Lina Allamano, Lage Lund, Michel Donato, Beegie Adair...............Inegavelmente mr.Lester é um pesquisador, estudioso do jazz, escreve bem mas, ultimamente, seu gosto musical no que diz respeito ao jazz está meio "decaído". Agora, convenhamos, nunca ouvir falar de Billy Mitchell é uma verdadeira heresia; brincadeira!!! Jazz não é qualquer tipo de musiquinha não. Precisa se buscar conhecimento: muita pesquisa, muito estudo e acima de tudo muitas horas de audição para depois podermos separar o "joio do trigo". É isso e estamos conversado.

Érico Cordeiro disse...

Seu Mr. Lester,
Me faltam palavras para agradecer a deferência.
Na falta delas, um "valeu mesmo!" do fundo do coração.
Estarei de férias em março e pensei em fazer uma visita a Vitória no final do mês, inclusive para tentar lançar aí o nosso "Confesso que ouvi".
Que tal?

John Lester disse...

Prezados amigos, mais uma vez, obrigado pelas gentis palavras, inclusive a de nossa amiga desaparecida Miss Leite.

Certamente que estaremos por aqui, Mr. Cordeiro, recebendo-o e ajudando-o no que for possível.

Mais detalhes via e-mail.

Grande abraço, JL.

LeoPontes disse...

Hi JL. Devo ir a V.V no final de março.

Poderia me informar via email suas direções e tel pls ?

Meu email é: leopontes1bass@gmail.com

Aguardo ansiosamente

Abrçs