22/06/2006

It's a great and guilty world


Eu ouvi a frase-título num filme daqueles em preto e branco, com excelente fotografia e atores ídem. Foi pronunciada por Orson Welles quando ele desembarcava em Acapulco acompanhado de um advogado cínico e sua esposa, seus patrões. Obviamente, Orson se apaixona pela loiruda e entra na maior roubada. A frase, para manter a sua poesia, deve ser mantida em inglês: It's a great and guilty world. O advogado indicava o mundo e seus valores como uma farsa. A culpa é para os tolos, parecia dizer. O nosso mundão velho que já foi sem porteiras, hoje está enclausurado pela infâmia e pela paranóia. Os detritos produzidos pela nossa cultura já não podem mais ser ocultados. Não existem aterros sanitários, prisões ou hospícios suficientes. Mas podem ser deturpados: as desculpas são cínicas e fascistas: a política atual (isso é no mundo todo) é tirar da reta: o responsável é o outro. Fechar fronteiras, deixar morrer as sub-raças emergentes é o que se ouve/lê nos noticiários. Tem culpa eu?!? Ouviria um réquiem como trilha sonora do cenário. Lester, logo abaixo, indicou Art Pepper (tem a versão de Summertime no meu gramophone). No filme Good morning Vietnan, usaram a bela canção What a wonderful world como fundo para os ferozes bombardeios. Os navegantes estão convidados a sugerirem músicas (pensando na situação atual) para incluirmos no gramophone para servir de trilha sonora para o nosso mundinho sacaneado. Aguardo.
PS - A tela é "O triunfo da morte", de Brueghel.

7 comentários:

john lester disse...

Salsa, acho que não tem nada mais atual que Pres & Lady - a dupla mais desgraçada do jazz. Eles viam o mundo com muita nitidez e por isso se foram tão rapidamente ...

E quem aguentaria ver tudo ?

João Pedro disse...

Sugiro o clarinetista Eddie Daniels interpretando Solfeggietto, de Bach, do disco Breakthrough.

Vinícius disse...

meu velho, para ilustrar nossos tempos eu ia indicar Serenity, do album First Meditations, do Coltrane

mas em homenagem ao jogo e a recuperação(incompleta, porem notável) do Ronaldo, mudo tudo e indico In a Mellow Tone, com Mulligan & Webster.

q se dane tudo, não custa ser feliz.

Zeca Pagodinho disse...

Aquela do Cartola: O sol nascerá, com Leny Andrade.

Rogério Coimbra. disse...

Quero OM, do Coltrane, completo.

Salsa disse...

Pô, Rogério, essa é pro enterro. A pá de cal.

Cretino de Creta. disse...

Caraca! Vocês tão tudo pra baixo. Vixe!