04/07/2006

O blues de Illinois

Estava eu com alguns créditos no sítio emusic.com e, ontem, por lá passando, encontrei o disco The blues: that's me! de um daqueles saxofonistas da velha-guarda que povoam a minha cedeteca: Illinois Jacquet. O seu sopro é encorpado como aqueles vinhos que descansam por um bom tempo no barril e depois, já na garrafa, quando a abrimos, exala aquele bouquet revelador da excelente vidima da qual procede. No copo, percebe-se restos da uva sedimentadas ao fundo. Similar, no seu sopro, ao timbre rascante (presente com maior ou menor intensidade, dependendo do tema interpretado) que assinala a sua força. Illinois Jacquet, acompanhado por Wynton Kelly, pelo guitarrista Tiny Grimes, pelo baixista Buster Williams e pelo baterista Oliver Jackson, aparece como a coluna central de um quinteto mágico. Seu estilo conjuga traços que tendem para o alto astral: percebe-se a inefável união do Swing, do Bebop e do Rhythm & Blues. A faixa inusitada nesse disco é a interpretação de "round midnight, na qual Illinois arrisca no fagote (você conhecia, Lester?). Deixarei no gramophone by Salsa. Para mostrar o pique desse dinossauro do jazz, acrescentarei a faixa Everyday I have the blues. Rricomendo.

4 comentários:

john lester disse...

Salsa véi, eu tenho esse disco há algum tempo. Aliás, um grande disco. Também recomendo.

Salsa disse...

Soubesse eu, economizaria uns caraminguás.

bia disse...

Nada como almoçar ouvindo o Jazzseen...

Delícia.

Pinto Souto disse...

Valeu a experimentação no Bassoon, mas eu preferi o som do sax.