12/07/2006

A palmeira e o vento

Eu fiquei impressionado quando vi pela primeira vez aquela figura balançando como uma palmeira no meio de um furacão. Demorou alguns instantes para eu entender que ali estava a usina que processava a energia eólica e a transformava em som. Eu, adepto do Hard rock, não imaginava que um sax pudesse produzir os efeitos que eu, estranhecido, assistia e ouvia. A "palmeira", no caso, era Charles Lloyd. Fez-me arriscar na compra de um primeiro disco de jazz. Não encontrei nada do cara e acabei comprando um LP do Joe Farrell, que acabei doando para um colega saxofonista. Passaram-se alguns anos até que eu me arriscasse novamente pela seara jazzística, ali pelas bandas de 1982-3-4. Lloyd? Um dia, folheando o Real book, eu encontrei uma partitura de Sweet Georgia bright, que faz parte do primeiro disco do camarada: Discovery! The Charles Lloyd quartet, de 1964. Tocava-a com os amigos e tentava imaginar como deveria ser a interpretação do seu gerador. Continuo sem saber, pois não tenho o disco. Deixei-o de lado porque os colegas viviam falando que ele era um adepto do free jazz e coisa e tal e que era insuportável. Deixei-me levar pela turba. Recentemente, atoamente xeretando na web, encontrei dois discos. A imagem da palmeira retornou-me e comprei. O primeiro, Wich way is east, duplo, exige um pouco de desprendimento das preocupações diárias e espírito desbravador para encarar (e eu não estou nesse clima). The water is wide, no entanto, mais lírico, proporcionou-me bons momentos. Lloyd está acompanhado por Billy Higgins (com uma levada bastante sutil), John Abercrombie (que também colabora com o clima de leveza que perpassa o disco) e por dois jovens músicos (o disco é de 2000) que principiavam a mostrar as garras: o pianista Brad Mehldau e o baixista Larry Grenadier. O disco inicia com uma versão muito boa de Georgia, de Hoagy Carmichael, e, logo em seguida vem a faixa-título. Deixarei no meu Gramophone para vocês apreciarem a sonoridade do sax de Lloyd. A minha queixa quanto ao disco é antiga (refere-se à maioria dos discos contemporâneos): é muito longo: quase setenta minutos de música, ou seja, o dobro da maioria dos antigos Lps. O clima pode ficar muito etéreo (de acordo com Lester esse é o problema maior dos discos da ECM) após as primeiras sete faixas (são doze). Vale a conferida, mas pelo jeito continuarei procurando o som para se encaixar na reminiscência de Lloyd que ficou na minha memória.

2 comentários:

Pinto Souto disse...

Lloyd fez uma sonzeira ao lado do Keith Jarret

Laranjeira disse...

Prefiro o Paulo Moura