20/10/2006

The Bassoon's Envy

.
Todos já conhecem minha fixação pelo bassoon, aquele instrumento muito esquisito e antigo utilizado pelas grandes orquestras de música clássica. Nessa terceira resenha sobre tão curioso instrumento (já falei antes sobre Michael Rabinowitz e The Bassoon Brothers), trago agora aos amigos argonautas um músico que faz aquele tipo de jazz que me agrada bastante: um post bop leve e inteligente. Adam Smith talvez seja o mais importante fagoteiro (como se denomina um tocador de fagote?) da atualidade, atuando em ambientes clássicos e populares com igual desenvoltura. No Gramophone By John Lester - acima, à direita - deixo a faixa Killer Joe, do álbum Bebop Bassoon gravado em 2004, com Martin Bejerano (p), John Carver Sullivan (b) e Ludwig Afonso (d). Boa audição!

6 comentários:

álvaro disse...

Muito bom!

Roberto Scardua disse...

Jazzseen: sempre uma boa novidade!

Valeu JL.

Rogério Coimbra. disse...

Fagotista, é essa a nomenclatura do seu " fagoteiro". O nosso, de nossa Orquestra Sinfônica do Estado, a OFES, é o brilhante e competente Toninho, irmão dos outros competentes Paulos, o Antônio Paulo Filho. Quinta próxima, dia 26, tem concerto no TCG, vamos ? Eu, vc e o pres e outros escritores capixabas.

Salsa disse...

Valeu a dica, mr. Lester - pelo quesito curiosidade. Mas esse lance do fagote não me garadou, não. Você sabe que, com o tal do jazz, eu sou mais ortodoxo que "vasilha" de esmalte e, assim sendo, esse disco eu estou dispensando. Melhor será ouvir o Toninho na filarmônica.

John Lester disse...

Você ainda não (ou)viu nada amigo... Aguarde!!!

John Lester (rindo muito).

aurélio disse...

E corneta? É cornetista ou corneteiro? E oboé? E casaca?