10/11/2006

Perico!

.
Quando você ouve a crítica especializada dizer que Peter Brotzman é gênio e que seu disco Machine Gun é um marco do jazz europeu dá vontade da gente se matar comendo quiabo com dobradinha ao molho madeira. E quando tudo parece perdido no mundo do jazz, com David Murray azucrinando de um lado e Carmen McRae cantando Monk do outro, eis que surge um jovem pianista que não utiliza seu talento para nos atormentar as orelhas. Brad Mehldau é um desses jovens abençoados que tratam o jazz com respeito e reverência aos velhos mestres. Modesto, o garoto realiza suas pesquisas dentro de um post bop bem construído, sem ataques de estrelismo, sempre com beleza e inteligência. Na década de 1990 ele gravou alguns álbuns com o competente saxofonista Perico Sambeat e os irmãos Rossy. Tem também resgatado a tradição do trio acústico piano-baixo-bateria. Acima, no Gramophone Jazzseen deixo a faixa Dat Dere retirada do lp Barcelona-New York Crossing, gravado em 1993, quando Brad contava com apenas 23 anos. Se você procura por algum bom jazz feito por jovens, Brad Mehldau é uma grande opção.

2 comentários:

gulosu disse...

eu adoro quiabo com dobradinha!

Guzz disse...

coisa rara isso, John
maravilha !