17/12/2006

No mínimo...


Na semana passada, nós ouvimos os sofismas mais descarados para justificar o aumento salarial dos deputados e senadores da república: 1- justificativa política: os defensores da locupletação dizem que, ao igualar os salários com o judiciário, a partir de agora todo aumento que acontecer será responsabilidade daquele poder (se o salário do judiciário aumentar, automaticamente o dos deputados e senadores seguirá a mesma trilha) - enfim, a discussão sobre o papel dos poderes fica, como sempre, engavetada. 2 - justificativa ética: Outro digníssimo representante do povo declarou na TV que um bom salário é o único meio para acabar com o risco de novos mensalões (atualmente, sem o aumento, entre ajudas de todos os tipos imagináveis, cada parlamentar custa aos cofres públicos em torno de US$ 60.000 mensais): a fala do seu representante é a confissão de que os camaradas lá estão apenas para fazer o pé-de-meia, não importando o meio (a lógica leva-me a crer que, se criarem outro mensalão, terá que ser maior). Qual trilha sonora para esse cenário? Nos anos setenta, eu cantaria "o terreiro lá de casa não se varre com vassoura", mas sim com a ponta do sabre e bala de metralhadora. Juro que não dá vontade de ouvir música. O disco do The Modern Jazz Quartet com a participação de Sonny Rollins, que agora ouço, contaminado pelo clima, soa melancólico. In a sentimental mood quase me fez chorar. Pra levantar a bola e não ficar pelos cantos me lamentando pelo quadro instaurado é melhor ouvir Bag's groove, com o mesmo grupo. O fato é que se nós ocuparmos minimamente o espaço que, enfim, é nosso, do mesmo modo que o grupo citado faz no campo musical, isso aqui será o paraíso. Vocês poderão conferir no Gramophone by Salsa.
PS: Vocês podem ouvir e ver Rollins no sítio http://home.ica.net/~blooms/home.html

8 comentários:

Phroudon disse...

Por mim todos receberiam 90% de aumento, parlamentares, juízes, lixeiros, balconistas, aposentados etc. Há dinheiro para todos.

O problema do Brasil é essa mania de querer que todos fiquem na mesma M, todos ganhando mal. Acho ótimo ganhar bem. O problema é que, para isso, os ricos precisariam reduzir um pouco os seus lucros...

Bakunin disse...

O problema é que, como você disse, ninguèm quer dividir p* nenhuma. A sacanagem é ficar pregando que não tem dinheiro para dar aumento. O bom e velho Proudhon (seu bisavô?)e outros militantes da velha-guarda recomendavam uma gravata especial para aqueles que queriam a grana só pra eles: enforcar os mesquinhos com suas própria tripas.
Quase esqueci: Sonny Rollins é bom demais!

Salsa disse...

Sejam Bem-vindos os neo-anarquistas, mas eu só quis destacar as desculpas esfarrapadas dos representantes do povo. Se rolar um aumento, eu também quero. Em tempo: as músicas são de discos diversos.

brasileiro arrazado e espezinhado disse...

EU digo: claro que seria ótimo se todos ganhacem bem, mas como isso não acontece, é revoltante assistir ao que está acontecendo! Quando penso que, como aposentado, tive 2,8% de aumento, quase 100% para esses &*#**#! é um escárnio, revoltante e humilhante!!!

lenin disse...

Não acho 100% um escárnio, revoltante e humilhante. Acho que os 2,8% sim são um escárnio.

Trotsky Neto disse...

Tem uma cambada que é só escárnio e osso: tá todo mundo em brasília.

Trotsky Neto disse...

Antes que a picareta (ou os picaretas) caia sobre a gente, eu devo dizer que gostei do som.

Ana De Lucía disse...

É verdade, o som do Jazzseen nos devolve um pouco de encanto...Stardust acalma meu coração...