15/12/2006

Butler, o chefe dos serviçais

.
Nosso mordomo morreu cedo, aos 66 anos. Mas, antes disso, Billy Butler gravou bastante com sua guitarra suculenta, cuja sonoridade nos lembra o gumbo, aquela sopa encorpada de New Orleans. E essa coisa de música é como o paladar: extremamente pessoal. É claro que diante de tantos músicos importantes do acid jazz, ou melhor, do soul jazz, nossa única alternativa é recorrermos à escolha pessoal. Ok, tudo bem, eu sei que deveria falar de Wes Montgomery, Grant Green ou Kenny Burrell nessa série natalina dedicada ao Papai Noel negro. Isso seria natural e óbvio. Mas, sei lá, resolvi selecionar Billy Butler como o guitarrista desse dezembro groove. Butler é o tipo de músico que levava o sentimento às últimas conseqüências e quase nunca se deixou seduzir pelo exibicionismo técnico. O cara sabia tudo sobre a linguagem de Charlie Christian, basta você verificar suas gravações como músico de estúdio. Mas, em seus álbuns como líder, Butler constrói aquela tensão que somente os mestres do soul jazz sabiam construir. Como o amante idealizado por toda mulher, Butler parece ficar eternamente nas preliminares, com a calma digna de quem sabe que está no controle da situação. Para os amigos navegantes, deixo a faixa Cherry no Gramophone Jazzseen – acima, no topo da página. Ela foi retirada do cd Legends Of Acid Jazz, que reúne dois álbuns do moço: This Is Billy Butler (1968) e As Night Life (1970). Com Butler estão Houston Person (ts), Ernie Hayes (p), Bob Bushnell (b) e Rudy Collins (d). É só clicar e saborear…

4 comentários:

Danilo disse...

Esta aparecendo uma lista verde e o som não rola. Assim que for possível, eu darei minha opinião.
Danilo

Salsa disse...

Coooooollll

pedro paulo - bh disse...

blz de guitar!

Surda disse...

Beleza!