09/02/2007

Da França à Rússia, passando pelo Paquistão

.
E quem disse que não existe jazz na França? Existe sim, e dos melhores. Um dos destaques da nova geração francesa é o pianista Frank Avitabile. Orientado e influenciado por Michel Petrucciani, Frank tem sido cada vez mais elogiado por seus trabalhos em trio. Sempre muito bem acompanhado – já teve gente como Niels Pedersen e Roberto Gatto ao seu lado – Avitabile parece se superar no álbum Bemsha Swing (lançado no Japão com o título de Body And Soul), repleto de interpretações originais de velhos clássicos. Para os amigos navegantes deixo a faixa Bye Bye Blackbird, com Rémi Vignolo (b) e Dré Pallemaerts (d).
Já o guitarrista Rez Abbasi nasceu no Paquistão, mas foi para Los Angeles com apenas três anos. Foi ali, ouvindo muito Jim Hall sob o céu da California, que se tornou um dos melhores guitarristas de sua geração (o camarada tem apenas 41 anos), o que lhe possibilitou acesso ao restrito grupo de músicos que fazem jazz em New York. Influenciado, sobretudo por Bill Frisell e Pat Metheny, Abassi explora desde a suspeita fusion até o insuspeito post bop mais elaborado. Prova disso é seu álbum Out Of Body, rico manifesto de sua concepção musical. Seja com a guitarra acústica, seja com a elétrica, Rez convence tanto com sua performance quanto com suas composições. Para os amigos navegantes, deixo a faixa título na Radiola Jazzseen.
E se você pensa que a Third Stream – termo inventado por Gunther Schüller na década de 1950 – morreu com o fim do Modern Jazz Quartet, então ouça na Radiola Jazzseen o The Classical Jazz Quartet. Formado pelos veteranos Kenny Barron (p), Ron Carter (b) e Lewis Nash (d), o CJQ tem como líder o pouco conhecido e muito competente vibrafonista Stefon Harris. Embora tenha uma sólida formação clássica, Harris nos faz lembrar muito do velho Milt Jackson, sendo capaz de fazer o CJQ swingar tanto quanto o saudoso MJQ. Até para aqueles que, como eu, sempre olham para o vibrafone com enorme desconfiança e antipatia, é forçoso reconhecer que o jovem Stefon Harris promete. Se você não acredita, confira na Radiola Jazzseen o quarteto fazendo Tchaikovisky sacudir as cadeiras na faixa Blues A La Russe. Fui!

8 comentários:

João Luiz disse...

Vou novamente contrariar o sr.Lester. Esse tal de Franck Avitabile parece mais o Keith Jarret dos pobres e bastante piorado, não apresenta nada que pudesse render-lhe qualquer destaque. Aliás seu nome poderia ser mudado para Franck Evitabile(Evitável). O "Reza Brava"(Rez Abrasi) deveria retornar imediatamente ao Paquistão e orar para pagar seus pecados musicais. Finalmente, o "The Classical Jazz Quartet" é bastante competente, mas compará-lo ao "Modern Jazz Quartet" ?
Existe uma diferença muito grande entre eles.

augusto carlos disse...

Com esse tal de João Luiz no pedaço, quem precisa do Predador?

Grande seleção Lester. Gostei de todos, especialmente go guitarrista Abassi.

olney disse...

Eu tb gostei; esse joão luiz tá muito mau humorado!!!

olney disse...

...e eu sou fã de vibrafone tb!!!

Salsa disse...

O pianista não me expulsaria de um bar, mas, no começo da música, pareceu-me uma dessas professoras de piano antigas: cheia de bordados e tricôs. O guitarrista não deve ser banido para o Paquistão, como quer João Luiz - o som me agradou. O quarteto, apesar do vibrafone, tem um sonzinho legal (o peso do baixo rouba a cena completamente).

bia disse...

adorei tudo lester

Rogério disse...

Pianista competente,swing competente.Dá pra colocar outra na radiola ?

augusto carlos disse...

também gostaria de ouvir mais o tal de franck avitabile