19/02/2007

De Lutero ao Jazz


O meu amigo Bernardo defende a tese segundo a qual o povo norte americano é o mais melancólico que existe na face da terra e, pior ainda, tenta disfarçar dizendo que tudo está ótimo e maravilhoso (isso baseado especialmente na análise de suas produções cinematográficas). Os momentos que rompem com essa característica são gerados, para desgosto de muitos, justamente pela miscigenação: a música - O jazz, o blues e rock'n'roll conseguiram, durante algum tempo, abrir espaço para a alegria no meio daquela terra inóspita ao sorriso solar. O processo de domesticação desses gêneros musicais, no entanto, é perceptível no ambiente midiático oficial: o que é veiculado nos rádios é, em sua maioria, uma porcaria que enrijece o cérebro e o coração. Circulando pelaí, a gente, às vezes, encontra alguns álbuns que são tentativas de reeditar a boa rebeldia dos áureos tempos do jazz (seriam os últimos suspiros?). A Europa, para onde a maioria dos jazzistas fugiram (na tentativa de escapar ao puritanismo norte-americano), adora promover encontros do povaréu da velha-guarda. Esperança de capturar alguma coisa da alma já alquebrada daqueles que fizeram muitos sorrisos brilharem (e ainda fazem, com suas gravações). Mas o resultado nem sempre consegue reproduzir o que se esperava e, desse modo, nos resta aquela cena ainda carregada de uma morna melancolia. Confesso que foi assim que eu ouvi o disco Harry "Sweets" Edison & Eddie "Lockjaw" Davis - In Copenhagen. Não que ele seja ruim, mas me deixou esse clima algo mórbido. Eu separei a faixa C Jam Blues, por ser um daqueles temas reservados para a irreverência da improvisação, e deixei ali no Gramophone by Salsa para os navegantes curtirem. Enjoy it!

9 comentários:

João Luiz disse...

Esta é uma das poucas vezes que vou concordar com o comentário do sr. Salsa "De Lutero ao Jazz". Voce está coberto de razões e tocou no cerne da questão, quando diz a certa altura: "promover encontros do povaréu da velha guarda na esperança de capturar alguma coisa da alma já alquebrada daqueles que fizeram muitos sorrisos brilharem". Este disco do "Sweets" e do "Lockjaw" , por exemplo está cheio de cliches e a sonoridade bastante "pasteurizada".

Velhinho de Copacabana (meio de ressaca) disse...

O solo de Kenny Drew está muito bom.

Ricardo Sá Reston disse...

Parabéns pelo blog, tudo recheado com muito bom gosto!!!
Visitarei frequentemente a partir de agora!!
Grande Abraço.

Ricardo Sá Reston disse...

Amigo (apague esse comentário) desculpe te incomodar, como faço para instalar um player como esses no meu blog?
Obrigado e parabéns mais uma vez!!
sareston@gmail.com

Salsa disse...

Prezado ricardo,
John Lester, o editor, big boss, engenheiro-chefe e membro circuncisado do blog se encarregará de passar as informações.

olney disse...

Salsa, ainda não consegui achar a versão do "Autumn" com o MJQ...aonde ela se escondeu?!

Salsa disse...

Ih, rapá, o Lester deu um sumiço nela. Espero que retorne, ao lado da versão de Clifford, lá no meu gramophone.

John Lester disse...

Olney, sua faixa já está no gramophone jazzseen.

JL

olney disse...

Oba, agora sim!!!
Mais uma vez, OBRIGADO; meu carnaval está ótimo!