08/05/2007

Mais uma pro harém do Lester: Stacey Kent

Vamos nessa onda, então. Já que Lester resolveu fazer uma viagem pelo universo das cantoras de jazz, deixe-me dar uma pequena colaboração (dando um salto no tempo). Eu estava ouvindo a Dr. Jazz (uma rádio da web) quando ouvi uma voz que me chamou a atenção: tratava-se de uma tal de Stacey Kent. Bisbilhotei no Allmusic e descobri que moça é graduada em literatura comparada (talvez venha daí o esmero na escolha do repertório - procurei e achei alguns de seus discos, sempre recheados de bons standards e com acabamento jazzístico bastante agradável). O site prossegue: "While on holiday in Europe after graduating from college, she took up singing without much formal training and never looked back. Kent became acquainted with several musicians at Oxford in 1991 and through them she found herself participating in a jazz course at the famed Guildhall School of Music and Drama. There she also met her future husband, tenor saxophonist Jim Tomlinson, and also landed a spot in the class. Her next spot was singing with the Vile Bodies Swing Orchestra at the Ritz Hotel in London, quickly landing a role in Ian McKellen's Richard III film, playing the big-band singer. The mid-'90s were more focused on recording and in 1996, Kent inked a deal with Candid Records. A year later, the critically acclaimed Close your eyes was issued; Tender trap followed in 1999. Her third LP Let yourself go: Celebrating Fred Astaire, which showcased popular standards, appeared in spring 2000. The ballad-oriented dreamsville appeared the next spring".

Para agradar meu amigo Ahmad deixarei a faixa Manhattan e mais In the still of the night, Let yourself go e The best is yet to come. Basta clicar sobre o nome e digitar a senha.

8 comentários:

Jazzbund disse...

Rufen Sie schnell einen Krankenwagen!

Danke!

Ranz disse...

aftazardëndöen krig-ha bandolo

thiago disse...

blz!!!

PREDADOR.- disse...

Costumo fazer críticas ácidas sobre assuntos e músicas apresentadas neste blog pelos sr.Salsa e Lester. Muita gente torce o nariz e se revolta. Agora, ter que aguentar uns tais de Frederico Bravante e Jazzbund,que além de não saberem escrever espanhol e alemão corretamente, enchem o saco. Deveriam o sr. Bravante e Jazzbund matricularem-se em cursos de espanhol e alemão respectivamente.Urgente!

Alien disse...

E a cantora, dá pro gasto?

Roberto Scardua disse...

Excelente a moça.

Garibaldi Magalhães disse...

Para mim, o texto em alemão parece correto. O cara, que fala em nome de uma instituição chamada União de Jazz ou coisa análoga, que vai ver só tem ele como membro, está apenas pedindo pra chamar com urgência uma ambulância. Só não dá pra entender se é pra ele mesmo ou pra cantora.

Garibaldi Magalhães disse...

Para mim, o texto em alemão parece correto. O cara, que fala em nome de uma instituição chamada União de Jazz ou coisa análoga, que vai ver só tem ele como membro, está apenas pedindo pra chamar com urgência uma ambulância. Só não dá pra entender se é pra ele mesmo ou pra cantora.