21/06/2007

Svend Asmussen

Ontem recebi um e-mail de Svrinkä, uma amiga que fiz em minha única visita à Dinamarca, esse país maravilhoso, com povo hospitaleiro e que adora jazz, no verão de 1984. Ela queria me avisar do show de Eliane Elias, uma das atrações do Festival de Jazz de Copenhagen de 2007, que acontece agora em julho, verão naquelas terras geladas (para mais informações sobre o festival, clique aqui). Percebi como o tempo é cruel e inflexível conosco: desde então, já se passaram 23 anos, Svrinkä já teve dois filhos e meus raros cabelos estão cada dia mais ralos. Achei tudo isso um grande absurdo. Como o tempo se esvai assim, sem nossa autorização? Várias lembranças marcharam pela memória, entre elas o excelente show que tive a felicidade de assistir no clube Slukafter, situado na iluminada Tivoli Gardens. Lá estavam Arne Domnerus no sax alto e clarinete, Rune Gustafsson na guitarra, Niels Pedersen no baixo e o mestre Ed Thigpen na bateria. O líder era o genial violinista dinamarquês Svend Asmussen, que, até então, eu não conhecia. Foi uma daquelas noites inesquecíveis para um amante de jazz. Mais tarde, já no Brasil, procurei conhecer melhor o trabalho de Svend, um músico superior, um prodígio que começou a tocar com 7 anos e a gravar com 15. Nascido em 1916, Svend viveu com intensidade a era do swing, embora tenha sido proibido de imigrar para os EUA quando convidado por Benny Goodman para integrar sua orquestra. Por isso é pouco conhecido fora de seu país congelado. Mas sua capacidade artística era reconhecida pelos mestres: tocou com Fats Waller, Duke Ellington, John Lewis, Lionel Hampton e muitos outros. Para os amigos navegantes, deixo duas faixas retiradas do álbum Musical Miracle – Svend Asmussen Vol. I – 1935-1940, Phontastic CD 9306, que eu recomendo sem ressalvas para os amantes do swing.



Tivoli Gardens - Copenhagen

12 comentários:

Salsa disse...

A sua colega tem um, er...ham, digamos, belo nome. E viva a Dinamarca (no caso, não tem nada de podre naquele reino).
Ah, as faixas são bucólicas. Passeiam pelo lado ensolarado da rua.

alberto disse...

Realmente... A Dinamarca é linda!

olney disse...

Na foto é a tal amiga que vc conheceu há 23 anos? Então ela era uma "criancinha"...

João Luiz disse...

O "Rancho" está trazendo melodias, já dizia meu amigo Amaral, quando servimos o Exército e almoçavamos ao som do violinista pop Helmut Zacharias. Svend Asmussen é o digno sucessor de Zacharias: tocador de violino para ser ouvido nos Ranchos dos Exércitos.

Guzz disse...

Eu tinha ficado pela Dinamarca ...

John Lester disse...

Prezado Olney, Svrinkä tinha 17 em 84. Eu, 18. Ainda bem que o Guzz não foi comigo, senão ele teria ficado por lá.

thiago disse...

muito sinistro!

Rafael Pinheiro disse...

Pensei ter entrado em outro blog...

Anônimo disse...

Caro Lester

A moça é, realmente, muito bonita.
Asmussen é um bom violinista, mas é difícil encaixar o violino como um dos instrumentos preferidos pelos jazzófilos.
Mudando de rumo, gostaria que você lesse o comentário que fiz sobre o post "Jazz Guide", de 04/07/07.
Obrigado e saudações jazzisticas.

olmiro müller disse...

Houve um erro: o comentarista anterior não é anônimo, mas Olmiro Müller.

John Lester disse...

Prezado Olmito, obrigado pelas anotações à resenha sobre guias de jazz.

Volte sempre e, querendo, envie suas contribuições para o Jazzseen que nós publicaremos com prazer.

Um abraço, JL.

lopes jr disse...

Eu queria escrever sobre samba. Pode ser?

Um abraço.