14/07/2007

Quiet Kinny

Se você nascesse nos EUA na década de 1920 e pretendesse ser trompetista de jazz, você estaria lascado: na costa leste estavam Dizzy Gillespie e Miles Davis. Na costa oeste, Clifford Brown e Chet Baker. E então, o que você me diz? Então que era uma luta miserável, mesmo para os mais talentosos, conseguir um pouco de espaço entre gigantes dessa envergadura. Esse foi o caso do genial Kenny Dorham, nascido em 1924. Depois de aprender os fundamentos de seu instrumento no colegial, Kenny tocou em algumas bandas, até conseguir estar ao lado de Gillespie, com quem aprimorou seu bop. Mais tarde trabalharia com Charlie Parker (substituindo Red Rodney), Horace Silver, Max Roach (substituindo Clifford Brown), Sonny Rollins e Charles Mingus. Nada mal, concorda? Antes de morrer Kenny teve seu próprio conjunto, o Jazz Prophets, que fazia um som nos moldes do Jazz Messengers. Apesar de admirado por seus colegas e considerado um dos melhores trompetistas do bebop, Kenny caiu naquela gulosa sombra que insiste em engolir alguns grandes mestres do jazz. Em sua homenagem deixo a faixa Blue Friday, retirada do álbum Quiet Kenny, gravado em 1959 e lançado pela New Jazz. Com ele: Tommy Flanagan (p), Paul Chambers (b) e Art Taylor. Isso sim é biscoito fino!

Kenny Dorham_Quiet...

8 comentários:

Danilo disse...

Eu tenho o The Complete 'Round About Midnight e vários como side man. Manda bem. Sopro de respeito.

sergio disse...

Estou baixando 3 do Kenny: "And The Jazz Prophets Vol.1" "Afro Cuban" e o "Quiet Kenny". Já o Jesper Thilo, esse é raro muito. Não me apareceu nada no soulseek em 2 dias de tentativas.

Vc deve saber tudo sobre Don Ellis. Baixei, anos atrás, sem nem conhecer e me encantei com o cara! Outro que meus amigos tão ou mais leigos que eu, nunca ouviram falar. Acrecentou a lembrança?
Abraços.

thiago disse...

perverso o cara hein lester!

Frederico Bravante disse...

La actual escena de jazz sigue contando con figuras destacadas. Muchos de los veteranos de los sesenta siguen en activo, como es el caso de Alex Riel, NHØP, Jesper Thilo y Palle Mikkelborg. A éstos se une un grupo de prominentes pianistas, también excelentes compositores y/o directores de orquesta: Carsten Dahl (1967- ), Jørgen Emborg (1953- ), Thomas Clausen (1949- ), Nikolaj Bentzon (1964- ), Ole Kock Hansen (1945- ), Niels Jørgen Steen (1939- ) y Jan Kaspersen (1948- ). El veterano del bebop y saxofonista tenor Bent Jædig (1935- ) sigue haciendo estragos, pero ahora rodeado de excelentes compañeros de instrumento más jóvenes: Fredrik Lundin (1963- ), Thomas Agergaard (1962- ), Hans Ulrik (1966- ) y Jakob Dinesen (1968- ). El trompetista Jens Winther (1960- ) y la percusionista Marilyn Mazur (1955- ) se asemejan a Palle Mikkelborg en tanto que son como éste a la vez compositores y proyectistas. Varios magníficos instrumentalistas heredan el trono de NHØP en el contrabajo: Mads Vinding (1948-), Jesper Lundgaard (1954- ), Lennart Ginman (1960- ) y Thomas Ovesen (1965- ). Los estilos más antiguos son cultivados sobre todo por el trombón Ole «Fessor» Lindgren (1938- ), que toca jazz de New Orleans y por Ib Glindemann (1934- ), que toca swing. Otros nombres imprescindibles son el guitarrista Pierre Dørge (1946- ), que se desmarca completamente de cualquier categoría con su New Jungle Orchestra, el guitarrista Jacob Fischer (1967- ) y el violinista Kristian Jørgensen (1967- ). Sigue habiendo muchos músicos extranjeros en Dinamarca, si bien ya no poseen la misma categoría de estrellas que los anteriores.

augusto carlos disse...

É incrível como alguns bateristas sabiam se comportar diante de seus patrões. Bons tempos...

alberto disse...

Kenny deveria constar entre os grandes. Ele merece.

thiago disse...

Quem é esse tal de frederico bravante? sinistro o cara, eu hein

Anônimo disse...

Não séria bravata, mas o assunto e jazz: nessa epóca existia ainda Roy Eldridge,Clark Terry,Harry Sweets Edison,Shorty Rodgers,Harry James(em seu trabalho de big band) mas um extraordinário trumpetista, Buck Clayton...Novato tinha que pular miudinho.Edú