27/05/2009

Legends of Acid Jazz - Fred Jackson

Não, nunca escrevemos sobre ele por aqui, exceto a breve menção quando tratamos da Navalha de Ockham. Fred Jackson é um dos grandes tenoristas desaparecidos do acid jazz - leia-se soul jazz, aquele hard bop meloso, sensual, repleto de groove e funky. Injustamente esquecido com o passar dos anos, Fred gravou apenas um álbum como líder para a Blue Note em 1962, Hootin' 'N Tootin'. Com ele estavam os animados Willie Jones (g), Earl Vandyke (org) e Wilbert Hogan (d). Como se poderia esperar, seu forte não é nem a criatividade nem a transcendência. Como robusto saxofonista que é, Fred soprepõe seu fraseado com base nos velhos elementos doados pelo bebop, mas com aquela convicção sedutora que tanto caracteriza o estilo, conquistando inequivocamente mesmo o ouvido mais reticente. Antes de gravar seu álbum, Fred havia trabalhado com Little Richard e BB King, dos quais absorveu os válidos sentimentos do R&B e do blues. Em 1961 grava seu primeiro álbum de jazz com o organista Baby Face Willette. Depois disso, gravou seu álbum e sumiu. Para os amigos fica a faixa título do tal álbum, que recomendo com veemência aos apreciadores do acid jazz. Ou não?

18 comentários:

Salsa disse...

Na falta da caixa, pode deixar esse.

thiago disse...

sax nocivo

Marília disse...

Sax delicioso!

Roberto Scardua disse...

Creio importante acrescentar que, na década de 50', Fred tocou flauta com Horace Silver. Na de 60', tocou sax com John Patton. Depois disso ainda trabalhou com Diane Schuur, Quincy Jones, Carole King, Dee Dee Bridgewater e Flora Purim.

Valeu!

John Lester disse...

Prezado Roberto, obrigado pela adição.

Grande abraço, JL.

figbatera disse...

Bem, eu gostei, seja acid, soul, hard, bebop ou o que for.
É um sopro agradável e o som do órgão tb me agrada muito.

figbatera disse...

... e sem contar o solo da bateria; legal!

Érico Cordeiro disse...

Mr. Lester e seu conhecimento enciclopédico - és o Nilton Santos do jazz, meu caro.
Lembra o Lou Donaldson da década de 60 (não na sonoridade do sax, mas no contexto funky) e o George Braith (outro cara que gravou muito pouco, só conheço um cd duplo lançado pela Blue Note). Guitarra à Grant Green, órgão com muito groove - muito legal.
Abraços a todos!

Sergio disse...

Seu João Lester, o sinhô, como um sujeito letrado, viajado e muito bem informado pode já ter ouvido falar nesse prodígio:

http://www.youtube.com/watch?v=D-bumYe5mfA

O nome da canadensezinha, neste vídeo de aparelho nos dentes, tipo aos 12/13, é Nikki Yanofsky. Passo-te logo o nome pq, se conhece não perderá seu precioso tempo - mas tem os demais daqui, certo?

Enfim, amigo, quando comecei a baixar o álbum d'"Ella...of Thee I Swing" (Nikki, pela foto já com uns 18tinhos) levei um susto tão grande... e a 1ª pessoa que me lembrei comentar foi com vc mesmo. Veja e por favor, diga-me algo.

Sergio disse...

Ei!, correção, não tem nada de "18tinho" coisa nenhuma, a menina deve estar hoje com 15/16 no máximo. Esse disco único dela cantando Ella, a foto em pb da capa me confundiu, é de 2008 e é bem bom.

No youtube já tem uns clips da garota cantando uns popzinhos senvergonhas, mas, pelo disco que estou ouvindo a "minha menina" não vai enveredar pelo lado negro da força, se os deuses quiserem.
Valeu.

John Lester disse...

Prezado Mr. Sônico, iniciaremos procedimento inquisitorial acerca da moçoila. Todos os indícios apontam para o indiciamento.

Grande abraço, JL.

Sergio disse...

Nintindi. Ficou puxado pra mim, mr. Pq ela ousou cantar Ella?

John Lester disse...

Prezado Sérgio, quis apenas dizer que, num procedimento sem cognição ampla, a menina parece sapeca o suficiente para nos fazer sorrir.

Grande abraço, JL.

Sergio disse...

O que é certo, Lester, e pela nova resposta parece q concordas comigo, q ela não é aquele tipo clichê prodigio de programa de calouros ou a criança que parece uma anã tentando se passar por gente grande e séria. A menina Nikki, até no nome é uma criança, e consegue, numa boa, conservar o frescor da idade. Só q, ao mesmo tempo ela mergulha num repertório que me parece um tanto maduro de mais para o seu perfil. Enfim, vou fazer uma 2ª audição. Mas a versão q ela faz de "Lullaby of Birdland", está muuuito bacana, pode acreditar.
Isto é, fica difícil de acreditar em interpretações de músicas que falem de fossa, dor de cotovelo, experiências amorosas pelas quais ela não tem a menor vivência

Sergio disse...

Perdoe, essa parte: "Isto é, fica difícil de acreditar em interpretações de músicas que falem de fossa, dor de cotovelo, experiências amorosas pelas quais ela não tem a menor vivência"

Era preu apagar antes de enviar o comentário.

John Lester disse...

Percebi meu amigo. E viva a Coréia!

JL

figbatera disse...

Caraca, gente, eu vi o vídeo indicado pelo Sergio e outros mais lá no youtube; achei a garota SENSACIONAL!

Jovem Werther disse...

maneiro