09/10/2010

Você concorda com o Marcelo Madureira?

21 comentários:

John Lester disse...

Vídeo gentilmente enviado pelo Sr. Internéscio Silva, do blog http://internescio.blogspot.com/

Bruno Leão disse...

Plenamente. Ás custas da estabilidade econômica que o país desfruta no momento vejo cada vez mais pessoas sacrificando a moral na política. O comportamento de Lula frente aos escândalos do país com certeza deixaram marcas que fatalmente incentivará a manutenção da podridão nos altos escalões politicos.

.Edinho disse...

MR. Lester,
Tem como não concordar !?!
Vamos levar muito tempo pra consertar o estrago !
Abraços ,

Salsa disse...

Só discordo quanto à cronologia. A desmoralização da política vem desde antes do meu nascimento. Lembram-se do papo sobre o locupletarmo-nos?
A diferença é que hoje sai na mídia e um ou outro vai em cana por alguns dias.

pituco disse...

master lester,

em política partidária eu não meto o dedo...e olha que eu tenho todos.

abraçsonoros

John Lester disse...

A democracia cobra um alto preço.

Grande abraço, JL.

Oslo disse...

Um abraço Lester
Demorou!!!! Que bom se todo mundo assistisse este depoimento do Marcelão.Osvaldo

PREDADOR.- disse...

Concordo plenamente com o Madureira. Lula é e sempre foi um enganador. A necessidade de um ajuste fiscal, a maior fonte de proecupaçao, juntamente com os gastos excessivos não são enfrentados. Os desajustes tem se tornado evidentes. O atual Governo virou apagador de incêndios, perdeu a capacidade de fazer política macroeconômica. As reformas (previdencia, fiscal, política, etc...) precisam ser feitas urgentemente, e o homem preocupado com assistencialismo barato, política rasteira em favor da Dilma e apaniguados, utilizando também outros "truques e mágicas", que infelizmente conseguem enganar o povo brasileiro, a maioria uma "cambada" de analfabetos. O defcit público aumenta, a inflação sobe, os investimentos diminuem, o real se valoriza, os juros aumentam, o dinheiro da "bolsa família" consegue pagar a cachaça dos vagabundos.... e o povão aplaude. Isto é Brasil!

Andre Tandeta disse...

Esses bicões não estão com nada. A opinião deles vale tanto quanto a do mendigo que dorme no banco da praca.Zeros a esquerda e ainda por cima sem graça nenhuma. Mr. Lester, por favor, fale ate' dos vinhos que tem sabor de chocolate amargo e baunilha,ainda um misterio incompreensivel pra mim, mas deixe esse negocio pra la.

Internéscio Silva disse...

Lester, obrigado por colocar esse tipo de discussão em seu blog. E obrigado também pela força. Valeu!

Érico Cordeiro disse...

Ben Parker já dizia: Grandes poderes implicam em grandes responsabilidades.
A liberdade de imprensa surgiu no âmbito das revoluções liberais do século XVIII, uma tentativa bem sucedida de impor limites ao arbítrio estatal. Pertence à primeira geração dos chamados direitos fundamentais ou direitos de liberdade, ramo a que pertencem a liberdade de culto, o direito à vida, o direito de ir e vir, o direito de propriedade, etc.
Caminhamos longamente, inclusive sob a sombra opressora da ditadura militar, que mergulhou o Brasil nas trevas por mais de 20 anos.
Caminhamos na luta pelas Diretas Já, na luta pela Constituição Cidadã, nas primeiras eleições diretas para presidente.
Caminhamos aos trancos e barrancos, ora acertando, ora errando, como é próprio das democracias, que somente se aperfeiçoam à medida em que são exercidas. Não há democracia sem erros, porque erros e acertos são lados da mesma moeda do processo democrático.
No entanto, assistindo a esse espetáculo grotesco, me pergunto: "Caminhamos tanto para chegar a isso?"
Quem é Marcelo Madureira? O que ele fez de importante? É referência intelectual para alguma coisa? Que livros escreveu? Qual a sua contribuição para a cultura brasileira? É esse o novo ícone do conservadorismo nacional, que já teve como paradigmas baluartes de decência e tolerância como Gustavo Corção, Heráclito Fontoura Sobral Pinto ou Alceu Amoroso Lima?
É essa a sua forma de demonstrar apreço pela democracia?
Que modelo de democracia pode um cidadão como esse representar?
Certamente não o modelo que eu imagino ser o mais razoável. Democracia implica respeito, mesmo na divergência. Liberdade de expressão não é isso.
Aliás, falando em liberdade de expressão, gostaria de ouvir dos amigos a opinião sobre a atitude do jornal O Estado de São Paulo, ao demitir a psicanalista Maria Rita Kehl, após esta haver escrito um texto em que defende a legitimidade do voto dos pobres. É essa a "liberdade de expressão" que a grande mídia tem feito na prática - meramente retórica e implacável contra as vozes dissonantes.
Provavelmente, as palavras desse Marcelo Madureira somente deverão ecoar naqueles que assistem ao seu programa e para quem - programa e Marcelo Madureira - devem ser importantes.
Prefiro a companhia de Raimundo Faoro. É nos seu fundamental "Os donos do poder" que estão reveladas, de forma cristalina e brilhante, todas as estratégias torpes que a direita brasileira, pelo menos, desde a época do descobrimento, se vale para se perpetuar no poder.
No mais, as declarações desse senhor são iguais ao programa em que ele trabalha: uma nulidade exponencial temperada com doses amazônicas de grosseria, preconceito e falta de respeito à democracia.

John Lester disse...

Prezado Mr. Cordeiro, bom ler sua opinião. Gostaria que os embates políticos sempre ocorressem assim, de forma polida, bem fundamentada e com liberdade.

Só espero que os donos do poder não abdiquem da liberdade de expressão em nome da esquerda, dos pobres ou por não concordarem com o Marcelo Madureira.

Que o prazer da liberdade não nos seja retirado.

Grande abraço a todos, menos ao Hugo Chavez, ao Fidel e ao Armadinejah.

JL.

Andre Tandeta disse...

E',Mr. Lester,nada como o nosso amigo Erico pra por os pingos nos iis.
Por favor, volte para o jazz onde o SR. ,com certeza, demonstra mais, digamos assim, bom gosto.

Takechi disse...

Érico:
Não é preciso ser uma pessoa importante ou eminente, ou ter escrito um livro, para emitir opiniões. Numa democracia, todos -- inclusive o eleitor -- podem emitir opiniões.
Quanto à psicanalista, sua coluna deveria versar sobre psicanálise, mas parece que era o que menos importava para ela.

J. Lester:
Concordo com você e com o Marcelo.
(Falando em jazz, também gosto de trompetistas que saibam tocar. Viva o L.Smith). E também,

Grande abraço a todos, menos ao Hugo Chavez, ao Fidel, ao Evo MOrales, aos Kirchners e ao Armadinejah.

Takechi

John Lester disse...

Prezados amigos, notem que, até o momento, não expressei nenhuma opinião, seja a favor, seja contra Marcelo Madureira. Ok, Tandeta? Só disse metaforicamente que não gostaria de viver em Cuba, Irã ou Venezuela, países onde Lula tem livre trânsito e onde a liberdade é massacrada em todas as suas formas e as mulheres são apedrejadas.

Em segundo lugar, não entendo nada de jazz. Sou apenas um diletante apaixonado, um clarinetista de ocasião, que mal consegue emitir as notas graves do instrumento. O Jazzseen é fruto dessa paixão inexplicável pela música. Só.

Quanto à política, tema sempre polêmico, apenas causa-me espécie que pessoas como o Marcelo Madureira, um dos responsáveis pela rica história de fusão dos jornais universitários Casseta Popular e Planeta Diário tenha se manifestado de forma tão contundente contra Lula. Possivelmente a ira exaltada do comediante tenha explicação na censura imposta aos profissionais do humor, impedidos legalmente de fazer graça com políticos sob pena de multa. Essa posição lembra-nos os tristes anos das ditaduras de direita.

E qualquer brasileiro comum, como um Caetano Veloso, pode fazer críticas à contraditória história de Lula. Para aqueles que acreditavam em sua sincera luta sindical, se é que existe tal coisa, fica terminantemente impossível justificar o comportamento de Lula como homem público nos últimos anos: cercado de corruptos e incompetentes por todos os lados, sua aliança com ditadores da pior espécie foi condenada até mesmo pelo atual prêmio Nobel de literatura, Mario Vargas Llosa. Talvez por ação de Deus, se é que existe tal coisa, a política econômica deixada por FHC não foi destroçada pela ganância e pela ignorância petista, graças à manutenção de homens como Henrique Meirelles, plano B de Lula caso a campanha de Dilma não engrenasse. Plano B exatamente pelo fato de que Meirelles não seria tão facilmente domesticável.

Poderíamos citar centenas, talvez milhares de intelectuais, pesquisadores e homens de letras que questionam a linearidade lógica do comportamento de Lula. Mas qualquer de nós, simples eleitores, pode verificar facilmente que o rei está nu. Não é preciso que um gênio ou um acadêmico nos indique esse fato. Qualquer dona de casa ou pedreiro que não receba bolsa-família sabe disso.

Até mesmo as mulheres mais simples, de origem humilde, como Marina Silva, abandonaram o PT após suas deformações irreversíveis.

A idéia aqui era apenas anotar os riscos a que nossa democracia está sendo imposta. Debater e refletir. Nada mais.

Grande abraço, JL.

Andre Tandeta disse...

Por partes:
1)não entrei no merito da questão, a performance do governo Lula . Apenas externei minha opinião,como qualquer um pode em uma democracia. Afinal opinião e' como certas partes do corpo,todo mundo tem.
2)Eu realmente prefiro ler sobre jazz aqui no Jazzzseen onde com certeza são apresentados excelentes musicos. Reafirmo que seu bom gosto,Mr. Lester, faz o sua auto propalada ignorancia , se e' que ela existe, ser totalmente irrelevante. Acredite, caso contrario eu nem apareceria aqui.
3) sou totalmente contra ditaduras de qualquer tipo,principalmente aquelas que maltratam fisicamente seus cidadãos.
4) sou totalmente contra qualquer tipo de censura ou cerceamento da liberdade de expressão.
5) e ,concluindo, qualquer coisa postada no Jazzseen recebera, sempre, minha atenção e nunca sera demais louvar o espirito democratico do Sr.,Mr. Lester.
Espero que voltemos logo ao jazz.

John Lester disse...

Prezados amigos, confesso que em certos momentos de nossa história não consigo isolar-me dos acontecimentos à nossa volta e dedicar-me apenas ao jazz.

Assim como os amigos blogueiros Sérgio Sônico e Érico Cordeiro, terminei por sucumbir à tentação de expor certos aspectos de nossa corrida eleitoral.

Preocupei-me, contudo, em manter certa distância dos radicalismos, apresentando fatos preocupantes para todos nós: corrupção e censura são mazelas que podem destruir pessoas e países. Falo por experiência própria.

Certo é que, após o segundo turno, nosso blog voltará exclusivamente ao jazz, ao vinho e aos livros finos com letras grandes.

Grande abraço, JL.

Sergio disse...

Bom, há mais um dado importante, justo de se destacar, no melhor Blog nacional de jazz (sem exagero no elogio, seu mr.): o Marcelo Madureira é o mesmo que no mesmo Manhattan Conection, ou no canal GNT (disso tenho certeza), perguntou, "o que é jazz?" "O q é essa coisa esnobe de jazz?”. Achincalhando a grande arte musical do século 20. Ele é o mesmo que abomina o Cinema Novo, Glauber Rocha e todas as etcs.

Mas, enfim, nada a ver, mas por falar em GNT, eu concordo em GNG, com o q o bom humorista falou! Pq bom humorista ele é. E pode haver os que não concordam, tanto quanto há os q acham Miles uma farsa. E, ora se precisa ter escrito livros, pra dizer boas verdade sobre este engodo sindicalista que é esse presidente medíocre e mal caráter!... Que história é essa. A questão aqui não é gosto não gosto. É é ou não é! Quem acha que a política assistencialista nanica do “até tu brutos?” traidor do povo é uma maravilha, que continue se enganando! A mim, quando o começaram a acontecer os escândalos, tudo ficou bem claro! O PT é tão nocivo q até conseguiu fazer de Roberto Jeferson um heróis nacional! E o prefeitinho Celso Daniel do ABC morto como queima de arquivo? Meu deus! Como aquele assassinato ficou até hoje não explicado? Nunca vou esquecer um dos irmãos dizendo que o Celsinho era um petista tão radical que seria capaz de encobrir ou melhor, fechar os olhos ao desvio de dinheiro público, se fosse em causa do partido. Mas, quando viu, sacolas de dinheiro saindo e indo favorecer a ganância pessoal de um esquema bandido mesmo, ele não agüentou. E aí...

Olha, mr. Lester, fizestes muito bem em me chamar. Como te adiantei em resposta lá no Sônico ainda, não perco um Manhattan desde os bons tempos do Francis – sou um fascista! Um reacionário! Para os meus amigos de esquerda. Não canso de dizer que o que mais me incomoda é vê-los aceitando tudo o q o partido e o governante deles apronta e dizerem, “o FHC fazia pior”. “É que agora sai na imprensa”... E mesmo que fizesse! Justificar “o pior” com o mal?... É risível! É o fim da picada. Só rindo, e fazendo piada. Mas o Madureira falou sério dessa vez. E sabe o que ficou ainda mais engraçado? O manézinho (este sim!) do Mainardi, teve que pagar pau, como dizem os paulista, pq passou a vida tentando ser duro com o Lula, e foi lá um cassetinha qualquer na casa dele, q só escreveu livro de piada até hoje e disse uma verdade com a força que um intelectual (pré)parado, nunca teve a capacidade de reproduzir!

Paula Nadler disse...

Não sei, não entendo de política, mas acho que as principais questões não giram em torno de direita ou esquerda. Afinal, PSDB já foi esquerda e, hoje, dizem que é de direita. O PT já foi de esquerda, hoje está com Collor e Sarney...

Acho que a questão é que cada um adapta seu discurso aos seus interesses particulares. Assim, cada um molda um discurso que serve de apoio a qualquer candidato, seja Dilma, seja Serra, o que melhor lhe aprouver. Ou o que oferecer mais em troca.

Raramente alguém é sincero em política.

Beijos!

Eu disse...

É como conta minha amiga estrangeira:"na minha terra, os políticos são muito católicos:só trabalham com um terço na mão1"

Horatius (nome fictício) disse...

Primão,
Parabéns por colocar o assunto em pauta. Jazzista não é alienado. Escutem o Jabor: "Se Dilma for eleita, sentiremos saudades do Lula."
http://t.co/Jk5Y6l7