13/09/2011

Linda iniciativa!

Músicos do projeto "Horns to Havana" (Metais para Havana, na tradução literal do inglês) doaram para estudantes de Cuba uma quantidade de instrumentos suficiente para formar quatro orquestras de jazz. A oferta é avaliada em US$ 250 mil (cerca de R$ 419,1 mil).   O grupo, que foi formado a partir de músicos da orquestra de jazz do Lincoln Center de Nova York, encerrou neste final de semana a sua segunda visita a ilha caribenha durante este ano, ocasião em que puderam dar aulas e tocar com jovens talentos cubanos.    Um grupo de seis luthiers, técnicos responsáveis pela criação e reparo de instrumentos, viajou junto aos integrantes do projeto para ajudar a arrumar peças quebradas, já que, segundo os músicos, estes serviços estão em falta na ilha.

Para o responsável pelo projeto, o trompetista Wynton Marsalis, o grupo de músicos deu continuidade ao "intercâmbio cultural" que foi iniciado pelo presidente Barack Obama.


É ou não é uma linda iniciativa?

11 comentários:

Lau Milesi disse...

Bom Dia! Sem dúvida, uma linda iniciativa. Queiram os deuses que outros países se inspirem no louvável fato.
Muitos bravooo (s) para os músicos e para Marsalis. Pensar até no apoio logístico(conserto de alguns instrumentos) é mergulhar de cabeça, tronco (coração)e membros na proposta.
Adorei as news.

Um abraço

Paula Nadler disse...

Oi Lau, seja bem-vinda ao Jazzseen. Beijos!

Roberto Scardua disse...

Sensacional! A Dilma poderia entrar nessa, não é? Porque o brasileiro só pode tocar tambor?

figbatera disse...

Muito bom mesmo!
E Cuba é um grande celeiro e bons músicos...

Anônimo disse...

Concordo com o Scardua.
Muito bom!

lita duarte disse...

Que beleza!

Até mais.

pituco disse...

master lester,

piramidal...aliás, mr.w.marsalis junto com o maestro seiji osawa tinham um projeto de workshops e aulas, exibido pela tevê nhk...inclusive, osawa san chegou a criar uma orquestra 'nos cafundós' da china...foi tema de documentário...

por aqui tb, o tenorista sadao watanabe san, trouxe o 'olodum mirim' pra workshops com a criançada daqui...tá certo, são tambores (como disse sr.scardua), mas fica valendo a iniciativa de exchange cultural...

abraçsonoros

John Lester disse...

Correto Mestre Pituco, concordo com o senhor e, de certa forma, com Mr. Scardua: creio que os tambores têm lá sua importância, sobretudo quando nos voltamos ao estudo da pré-história da música. Agora, o que não me parece saudável é impedir o acesso dos alunos brasileiros aos pianos, aos oboés e aos saxofones, num processo similar ao que vem exterminando os heterossexuais, as louras e os ateus.

Qualquer dia, nesse ritmo, será muito perigoso assumir-se publicamente como homem branco que gosta de jazz, de louras e não vota no Lula nem vai à igreja.

Grande abraço, JL.

coimbra disse...

Caro Lester,
É bom lembrar que está em plena vigência a lei sancionada pelo Presidente da República em 2008 e que teve início sua aplicação neste ano: a disciplina música passa a integrar a grade curricular de TODAS as escolas públicas e privadas, do ensino médio e fundamental, deste Brasil.
Agora pergunto eu: tem alguma notícia de que a lei está sendo aplicada ? Como ? Aonde ?
No Brasil é sempre de cima para baixo. Aí....já viu ! Pegunte ao seu filho o que ele está aprendendo na escola.

Anônimo disse...

cuba q aproveite ao maximo...quem dera q o nosso pais tb fosse contemplado...
abçs

John Lester disse...

Mr. Coimbra, infelizmente não tive filhos. Terei que conviver com isso.

Grande abraço, JL.