03/06/2006

Benny Carter - Live And Very Well In Japan

.
Não importa ser considerado repetitivo: não há como não voltar a falar sobre Benny Carter após ouvir o disco Live And Well In Japan, gravado em 29 de abril de 1977 no Kosei Nenkin Hall, Tokyo. Não apenas pelas excelentes e longas jam sessions que esse álbum traz (todas com mais de dez minutos de duração). Nem tampouco pelos memoráveis solos de Benny e dos demais músicos. Nem também pelo clima contagiante do público que perfuma o álbum com luz e frescor. O que me leva a cansar os amigos leitores com mais uma resenha sobre Carter é sua capacidade de reunir com maestria um grupo tão perfeito e produzir uma música de beleza tão intemporal. Com ele estão: Budd Johnson (soprano & tenor saxophones); Cecil Payne (baritone saxophone); Cat Anderson, Joe Newman (trumpet); Britt Woodman (trombone); Nat Pierce (piano); Mundell Lowe (guitar); George Duvivier (bass) e Harold Jones (drums). De quebra ainda podemos ouvir Benny Carter tocando, e tocando bem, o trompete e Joe Newman cantando, e cantando bem, uma homenagem a Louis Armstrong (quem quiser ouvir é só ligar o gramophone jazzseen). Confesso: um dos melhores discos de jazz que já ouvi. Vale gastar um pouco mais num Montes Alpha Syrah 2001 e cair no paraíso ...

16 comentários:

anônimo. disse...

Não se preocupe, Benny merece.

Jack Dupree disse...

Quem dera todos fossem repetitivos como vc John !

Afro disse...

Coloca alguma música do Monk aí no blog !!!

ADEMAR disse...

MUITO BOM O BLOG DE VCS

luciano (ufes) disse...

carter era genio - seu unico defeito era nao ser metido abesta - por isso ficou na sombra

o blog ta bom demais

Vinícius disse...

então, não quero ser do contra, mas comprei(não foi coincidência)Further Definitions este fim de semana(surpresa, achei uma edição nacional, a R$23,00 da Universal, entre outras, as vezes acontece um milagre) e senti um certo cheiro de naftalina quando ouvi...

Vô Véi disse...

Salsa, esse teu filho vinicius só enche a gente de alegria porque já não temos mais a tal da paciencia.

Salsa disse...

Prezado Vinícius, esse disco (se for o lançado pela grp), na verdade, são dois. O primeiro foi gravado em sessenta um e contou com as participações de Rouse, Hawkins e Woods. Para mim, esse é bem superior ao segundo (as últimas oito faixas), gravado em sessenta e seis com a participação de Bud Shank e outros que me escapam à memória - a rapaziada não segurou a onda na tentativa de reedição do grande momento anterior e, nesse caso, pode ter rolado um cheirinho de naftalina, sim. Tente comparar. Reinaldo, o presidente do clube das terças, costuma dizer que esses jazzistas longevos, depois de tocarem de um tudo, acabam caindo na armadilha da repetição de fórmulas (às vezes para atender interesses de gravadoras) que não produzem o mesmo efeito (mesmo porque, no jazz, cada momento é um momento inimitável).

Ahmed Fiscus disse...

Salsa, como diria nosso amigo e sócio do clube das terças, xico brahma: uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa.

Vinícius disse...

o cd editado no Brasil tem os dois: tenho q admitir que não cheguei no segundo ainda, são 18 faixas se não me engano.

falo das primeiras: tem passagens orquestradas ou arranjadas, sei lá, enfim: todos tocam juntos ensaiadinhos e é uma coisa que tem um gosto meio passado. Os improvisos são OK.

Orelhudo disse...

vinicius, tenta peter brotzman - o album machine gun é bem moderno.

Vinícius disse...

é piada?

nunca ouvi falar do cara, mas entrei no CdUniverse e vi um cd em que ele toca com Toshinori Kondo(tp) - será um expoente do Jazz japonês?

risos disse...

:-)

Other disse...

O tal Brotzman é um alucinado que toca um free desesperado que não dá pra aguentar um minuto.

frederego disse...

Brotzman nao e nada quando comparado a Ornette.

Vinícius disse...

só pelo trompetista japonês já saquei que era freesero!