09/06/2007

De McBride, Payton e Whitfield para Hancock

Herbie Hancock, por sua grande contribuição ao jazz, há muito merece homenagens. Uma delas reúne Christian McBride, Nicholas Payton e Mark Whitfield - baixo, trompete e guitarra - para produzir um disco com sonoridade unplugged, cujo resultado é bastante intimista e agradável. É curioso ouvir temas como Chameleon (tente ouvir aqui: basta clicar), normalmente tocada com aquela pegada fusion, mas aqui usa-se uma roupagem pouco usual que valoriza mais a tradição do que o som contemporâneo. Outro tema emblemático de Hancock - Dolphin dance - também está agradabilíssimo. A simplicidade é a tônica que atravessa os arranjos, fato que privilegia as performances dos músicos reunidos. Ouve-se McBride mostrando toda sua competência ao segurar ritmo e harmonia com precisão inconteste; Payton, sem surdina, desenvolve um fraseado tanslúcido e povoado de notas muito bem articuladas que se casam bem com o violão acústico de Whitfield. Se vocês não conhecem o disco (e não conseguiram ouvir aqui no blog), procurem nas melhores lojas.

Para os gringos, a resenha do Allmusic:
This is a rather unusual tribute to Herbie hancock on a couple different levels. There is no piano on the date, so obviously no one is heard trying to sound like Hancock; the intimate all-star trio (bassist Christian McBride, trumpeter Nicholas Payton and guitarist Mark Whitfield) avoids such typical Hancock hits as "Watermelon Man" and "Maiden Voyage," and several of the songs are real obscurities. The 14 Hancock compositions date from 1962-79, with one tune from 1985, so they do not cover his later output. Among the lesser-known tunes are the title track (first played by V.S.O.P.), "Sly" (from the Headhunters LP), and two melodies taken from the 1965 soundtrack ofBlow-up. Several of the songs (most notably "Driftin'") deserve to be revived more widely. Payton, whose versatility has in the past allowed him to emulate both Louis Armstrong and Freddie Hubbard with equal skill, here generally plays like himself, a Young Lion with a warm tone and an inventive style. Whitfield holds the group together, whether playing straight-ahead or adding a bit of funk to "Chameleon" and "Sly." McBride shows throughout why he is rightfully considered a young giant. Due to the many unfamiliar themes and offbeat instrumentation (which includes a duet apiece featuring each of the three possible combinations), this is a CD that takes a few listens to fully appreciate, but it is worth the effort. An underrated gem.

3 comentários:

velhinho de copacabana disse...

Eu fui direto no www.4shared.com (antes, eu anotei jazzpianojam@hotmail.com + a senha) para conseguir ouvir as faixas. Muito bom! Vale o esforço. Vou procurar no e-music.

augusto carlos disse...

eu nao consegui...

Osvaldo disse...

Eu consegui. Abri o site www.4shared.com e, lá, foi-me solicitado o e-mail e a senha para fazer o login (digitei o endereço jazzpianojam@hotmail.com que aparece no canto superior da página quando a gente tenta fazer o download via jazzseen); a senha todos já sabem: jazzseen. São quatro faixas muito boas. Acho que vale a pena tentar comprar o disco.